Erro 429: Envio RE arquivo SEFIP pelo Conectividade Social

Erro :429 – ActiveX componente can’t create object

Erro.JPG

Solução:
 

Bom dia, eu trabalho com manutenção de pc’s e presto serviço pra vários escritórios de contabilidade e sempre me deparei com esse mesmo problema ao trocar o Windows XP pelo Windows 7, depois de muito quebrar a cabeça e revirar a internet, descobri a melhor maneira de consertar esse problema. Lembrando que li muita ajuda informando que depois de alguns ajustes, seria necessário desinstalar e reinstalar os referidos programas e/ou reiniciar o computador. Fiz em varias máquinas sem a necessidade de reinstalar ou reiniciar, vamos a solução:

Se já encontrou erro ao rodar o programa, resolve assim: clique com o botão DIREITO do mouse no ícone da Conectividade Social que está na área de trabalho, vá em propriedades, depois compatibilidade e marque a caixa “executar este programa como administrador”, dê ok e pronto.

 

SOLUÇÃO (erro 429…): o programa “conectividade” precisa está fechado no procedimento abaixo

 

* copie o arquivo “cnsselo.dll” que se encontra na pasta c:/arquivos de programas/caixa/SEFIP ou c:/ programs files/caixa/SEFIP

 

* cole o arquivo “cnsselo.dll” na pasta c:\windows\system32 e tambem cole na pasta “CNS” – onde está instalado a conectividade social, que fica em c:/arquivos de programas/caixa/CNS/ ou c:/ programs files/caixa/CNS/

 

*ainda dentro da pasta “CNS” clique no botão DIREITO do mouse e execute como administrador o seguinte arquivo: “CNSComReg” e boa sorte.

Visão Periférica na Pilotagem

Visão periférica

Perigo à vista

Visão periférica

A muito venho falando a respeito de visão periférica e fixação da visão em um ponto como fatores importantes na pilotagem de uma Motocicleta.
A visão periférica deixa seu celebro em constante atividade e pronto para respostas imediatas, pois a mensagem da visão que chega até ele é instantânea assim como o seu reflexo nas respostas, além disso, em longos trechos e sob sol forte, concorrerá diretamente para minimizar a sonolência e evitar que você durma ao guidom.
Fixar a visão em determinado ponto, além de anular a visão periférica, seu celebro só reagirá ao que sua visão “diz” a ele. Fixar a visão não só anula a visão periférica, anula também seus outros sentidos, principalmente a audição.
Quem pensa que isso não é importante ou até mesmo que não existe, faça um teste bastante simples e seguro: Embarque em um veleiro, se instale na proa da embarcação protegido pelo guarda-mancebo e peça ao comandante que navegue no contravento apertado. Feito isso, escolha qualquer ponto fixo no horizonte de terra e fixe sua visão nele. Em pouco tempo ficará tonto e sonolento. Ah! Não se esqueça de ter um balde junto a você e na hora de usá-lo, porque vai, faça isso a sotavento.
Retornei ao assunto porque ainda hoje vejo que isso ocorre e para corroborar com o que já havia dito, encontrei no www.rockriders.com.br um excelente artigo sobre o tema. Vejamos:
A cegueira de movimento no motociclismo
Pilotos militares recebem instrução sobre cegueira de movimento durante o treinamento porque ela ocorre em velocidades mais altas e, até certo ponto, isto é aplicável a motociclistas também…
Os pilotos são instruídos a alternar o olhar entre varrer o horizonte e o painel de instrumentos quando em vôo, e nunca fixá-lo mais que alguns segundos num único objeto. Eles são orientados a manter a cabeça como se ela estivesse montada numa rótula e a movimentar os olhos continuamente.
Isso porque quando se está em movimento, fixar o olhar num objeto por algum tempo faz a visão periférica sumir. Essa é a razão desse fenômeno ser chamado de cegueira de movimento.
Num acidente em que uma moto pilotada rapidamente atinge um veículo mais lento saindo de uma via transversal, os motociclistas geralmente afirmam não terem visto o veículo vindo da direita ou da esquerda. Eles não estão mentindo, apenas não viram realmente o outro veículo, mesmo à plena luz do dia, devido a cegueira de movimento.
Desse modo, nós motociclistas precisamos estar atentos a este importante detalhe ao pilotar nossas motocicletas.
Até cerca de três décadas atrás, esta técnica de “cabeça numa rótula & olhos se movimentando” era a única maneira de avistar outros aviões por perto. Hoje, os pilotos contam com radares, sensores e os mais modernos equipamentos de detecção, mas a velha técnica ainda tem utilidade.
Participe de uma pequena demonstração da cegueira de movimento.
É a mesma usada para pilotos em treinamento na salas de simulação antes mesmo que cheguem perto de um avião.
No link abaixo, vê-se um conjunto de cruzes azuis sobre um fundo preto.
Há um ponto verde piscando no centro e três pontos amarelos fixos à volta dele. Se fixarmos o olhar no ponto verde mais que alguns segundos, os pontos amarelos desaparecerão aleatoriamente, isolados ou em pares, ou os três de uma vez. Na verdade, os pontos amarelos estão sempre lá.
Confira em http://www.msf-usa.org/motion.HTML
ANTES de fazer o teste, observe os pontos amarelos por algum tempo para você ter certeza de que não foram parar em algum lugar, que são constantes.
Assim, se estivermos dirigindo em velocidade numa rodovia e fixarmos o olhar na estrada à frente ou em qualquer outro ponto ou objeto, poderemos não ver um carro, uma moto, uma bicicleta, uma vaca ou um ser humano vindo de um dos lados ou mesmo à nossa frente. Mesmo na cidade em baixa velocidade é importante não fixar o olhar por mais de alguns segundos.
Recomendo que durante a pilotagem, procure sempre girar a cabeça olhando dos lados, assim também massageando sua nuca, piscando os olhos e nunca fixar algum ponto por demasiado tempo, como às vezes fazemos tentando ler a cidade da placa de um veículo que segue a nossa frente.
Pense nisso.

Pane Elétrica em Motos

Pane elétrica

Qual a causa?

Pane elétrica

É o CDI? Não, o Estator deixou de gerar.Que nada, é o Retificador de corrente.
Bem, tudo isso não passa de empirismo daqueles que se dizem eletricistas de Motocicletas.
A identificação do defeito que ocasionou a pane elétrica requer conhecimento e um simples multímetro.
O CDI, o Estator e o Retificador podem apresentar defeitos individuamente e, por conseqüência, desencadear estragos nos demais componentes do sistema elétrico/eletrônico.
Identificar apenas o defeito sem buscar a causa trará surpresas desagradáveis, portanto, se e quando seu eletricista disser que o CDI queimou, exija dele que teste os demais componentes do sistema, pois o que ocorreu pode ter sido em decorrência até mesmo de um simples terminal de fio.
Entre tantos casos que temos notícia, um mais recente, e que testemunhamos, corrobora o que muitos de nós já sabe.
Trata-se de uma 7 Galo 1987 original e lindona.
Pois bem, seguindo de Mossoró/RN para Fortaleza/CE, uns 30 km após, a velha jega pifou, “apagou” completamente. Retornando a Mossoró/RN, o mecânico condenou o CDI e fez a substituição, mas ela continuou sem gerar e a bateria foi pro beleleu.
Sem recursos, restou dar um boa carga na bateria, desligar todas as lâmpadas e seguir para Natal/RN (280km) “só na bateria”. Em Natal, numa boa oficina, foi diagnosticado defeito no retificar de corrente que, após substituição por um novo, a 7 Galo continuava sem gerar.
Na sequencia, verificou-se o alternador (primo do estator) e ele não estava gerando por estar com as bobinas queimadas. Enviado o alternador para São Paulo (SEDEX), esse retornou em ordem e foi instalado, mas a 7 Galo continuava sem gerar.
Para encurtar a HISTÓRIA, o defeito causador de tudo foi um simples fio já enrijecido pela ação do tempo e cujo terminal, além de oxidado, estava “preso” apenas pela capa do fio. Aqui o eletricista mostrou que é bom.

Moral da história: empirismo não funciona com elétrica e mecânica, é preciso diagnosticar com precisão a causa do defeito, pois trocar peças até eu sei e não preciso ser mecânico para isso.

 

CDI significa: Sistema de Ignição por Descarga Capacitativa.

Ele tem a função de mandar a descarga elétrica para a vela e, paralelamente, o conta-giros “conta” essa “descarga”.

 

O CDI substituiu o velho, hoje todas Motocicletas, assim como os carros, possuem CDI (ignição eletrônica).
Estator ou alternador (motos antigas) tem por função conduzir energia elétrica.

Retificador é um dispositivo que permite que uma tensão ou corrente alternada(CA) seja constante , ou seja transformada em contínua.

6 coisas que alguém com SSD NÃO deve fazer

Você possivelmente já leu algo sobre os drives de estado sólido, não é mesmo? Sob a sigla SSD (Solid State Drive, em inglês), estes equipamentos surgiram como uma opção mais segura e veloz para os discos rígidos comuns — que contam com partes mecânicas e apresentam mais problemas relacionados à movimentação — e têm ganhado bastante espaço no mercado nestes últimos anos.

Mas, antes de instalar e configurar o SSD, é preciso saber que existem diferenças entre eles e os HDs com os quais já estamos acostumados. Por causa disso, algumas ações não devem ser tomadas com os aparelhos — para aumentar o tempo de vida útil deles e evitar que exista qualquer problema. Ficou curioso? Então confira agora mesmo o que você não deve fazer com um SSD em seu PC.

1. Desfragmentação

Uma das principais diferenças entre os HDs e o SSDs está no modo como os dados são gravados. Enquanto os discos rígidos utilizam pequenas estruturas magnéticas para informar o valor de cada informação, nos drives sólidos isso acontece de uma maneira eletrônica — conseguida graças à energia elétrica armazenada ali. E é por causa disso que desfragmentar um SSD pode ser uma péssima ideia.

Esse método de gravação faz com que os SSDs tenham um número de gravações mais limitado do que acontece nos discos rígidos. Desfragmentar um disco significa realocar arquivos e fazer com que a porção de armazenamento dele seja otimizada — o que resulta em um grande consumo de espaço durante o período da desfragmentação. Ou seja: o processo pode reduzir a vida útil dos equipamentos.

Não bastasse isso, também vale dizer que a desfragmentação é um processo inútil nos computadores com SSD. Isso porque ela foi criada para reagrupar dados espalhados em discos rígidos, para facilitar a leitura em equipamentos desse tipo. Como o SSD não utiliza leitores mecânicos — e sim processos elétricos —, a informação pode ser acessada de qualquer lugar com a mesma rapidez.

2. Limpar áreas vazias

Por muito tempo, consumidores costumaram utilizar ferramentas para “apagar áreas vazias” do disco rígido. Isso permitia que as unidades ganhassem um pouco mais de espaço e ainda evitava que os dados pudessem ser recuperados após a exclusão de arquivos. Mas os sistemas operacionais mais recentes — Windows 7 e superiores, Mac OS X 10.6 e superiores ou Linux baseado em Kernels lançados depois de 2012 — são habilitados com o TRIM.

Isto é uma “notificação do sistema para o SSD para informar que determinados arquivos foram removidos e que os blocos, onde eles estavam armazenados, devem passar por um processo de limpeza para que novos dados sejam gravados”. Esta função faz com que os arquivos deletados do computador sejam realmente excluídos — não ficando disponíveis para restauração com o uso de aplicativos especializados.

Isso tudo significa que “limpar áreas vazias” em um sistema moderno e que utilize SSDs acaba sendo um esforço completamente desnecessário. Além de gastar um tempo sem fins realmente efetivos, o processo ainda pode desgastar o SSD com uma sobrecarga de informações — que também pode causar uma redução na vida útil do dispositivo.

Verifique se o TRIM está ativo

É possível que o seu computador não possua o TRIM ativado por padrão. Para verificar isso você pode usar softwares como o TrimCheck ou então seguir alguns rápidos passos:

  • 1) Pressione as teclas Window + R e digite na caixa de diálogo “cmd.exe”;
  • 2) No prompt de comando, digite o seguinte: “fsutil behavior query DisableDeleteNotify”
  • 3) Se o sistema retornar o valor “0”, então você está com o TRIM ativado;
  • 4) Caso apareça o valor “1”, você deve digitar o seguinte para habilitar o TRIM: “fsutil behavior set disabledeletenotify 0”

3. Formatação completa

Assim como no caso anterior, aqui trazemos um exemplo de processo desnecessário para os computadores com SSD. Formatar completamente um drive de estado sólido não é uma tarefa muito interessante e isso se aplica por várias razões. Primeiro: apagar arquivos com o modo TRIM faz com que eles sejam realmente excluídos definitivamente. Segundo: isso não fará com que seu computador fique mais veloz. Sem falar que a ação ainda joga fora alguns ciclos de reescritas do dispositivo.

4. Usar Windows XP ou Vista

O Windows XP e o Windows Vista são sistemas operacionais que não possuem suporte para o TRIM. Isso significa que arquivos apagados permanecem disponíveis para a recuperação por meio de aplicativos especializados. Mais do que isso, também existe o fato de que sistemas sem TRIM acabam gerando bastante lentidão após algum tempo de uso.

Em resumo: com o passar do tempo, seu SSD passará a demorar muito para conseguir terminar a escrita de um arquivo. É claro que não é o fim do mundo usar esses outros sistemas operacionais, mas é importante usar alguns softwares de otimização criados pelas próprias fabricantes de drives — evitando problemas relacionados às já mencionadas sobreescritas.

Atenção: não é interessante usar ferramentas alternativas de manutenção, pois isso pode prejudicar ainda mais o desempenho — opte sempre pelas oficiais das fabricantes. O drive de estado sólido sabe gerenciar os dados e cuidar de sua Garbage Collection — um sistema automatizado do gerenciamento da memória disponível — , sendo que a interação do usuário apenas vai prejudicar as configurações determinadas no firmware do componente.

5. Usar toda a capacidade

Essa lição já foi ensinada pelos HDs comuns em outros momentos — quem usa os PCs há mais tempo deve se lembrar do quanto era difícil reservar espaço em computadores que tinham menos de 1 GB para o armazenamento —, mas precisa ser relembrada. É essencial que você nunca preencha toda a capacidade do seu SSD, sempre deixando um espaço de sobra na unidade.

Isso se deve ao fato de que novos arquivos e carregamentos exigem espaço livre para que funcionem corretamente. Logo, sem ele o seu sistema ficará muito lento e apresentando falhas constantes. O site AnandTech afirma que pelo menos 25% do espaço total devem ser mantidos livres para evitar problemas — algo parecido com o que era indicado para os HDs comuns.

6. Realizar escritas constantes

Essa dica é bem importante, mas deve ser melhor aproveitada somente por quem utiliza SSDs em conjunto com HDs comuns. Um dos métodos mais eficientes de fazer com que a vida útil dos drives de estado sólido seja prolongada está em evitar as escritas nele. Ou seja, fazer com que menos arquivos sejam gravados nos drives e os mantendo como unidades de leitura.

As recomendações mais comuns são de que o SSD deve ser usado para a gravação dos arquivos de sistema operacional, softwares, jogos e outros dados que precisam ser acessados frequentemente e com rapidez. Em resumo: grave os arquivos que precisam ser acessados para que a sua utilização se torne mais confortável.

Ao mesmo tempo, não é indicado armazenar arquivos de mídia nos SSDs — uma vez que o espaço seria desperdiçado e o carregamento deles pode ser feito a partir de um HD sem qualquer problema ou lentidão. Ou seja… Nada de salvar o seu filme favorito em 4K nos drives de estado sólido.

Evite arquivos de paginação

Quando a sua memória RAM está toda ocupada, o Windows utiliza um setor do seu HD para fazer com que mais aplicativos e processos possam ser carregados ou mantidos. O problema é que se estivermos falando sobre um computador com SSD, esse setor de memória será sobreescrito com muita frequência e causará danos à estabilidade e à vida útil do equipamento.

Ou seja… Desative a opção de paginação nas configurações do sistema operacional — ou use um disco rígido comum para isso. Se você só possui um SSD, recomenda-se que sua máquina tenha pelo menos 8 GB de RAM para que o sistema não exija a paginação da memória virtual.

…..

Você conhecia essas recomendações? É claro que, se você optar por não segui-las, conseguirá usar o seu computador normalmente — afinal de contas, ele não vai explodir por causa disso. Mesmo assim, vale a pena ficar ligado em tudo isso para fazer com que os seus equipamentos possam ser usados por mais tempo e sem apresentar falhas.

FONTE(S)

  • ANANDTECH
  • HOW TO GEEK
  • LIFE HACKER

!!Atualização!! Problema Java: Processando… A applet não está carregada! **** ou **** 001 – Erro na assinatura do envelope XML

Após atualização do Java para nova versão alguns computadores começaram a emitir as mensagens das figuras abaixo.

ou

Sem que as applets Java sejam carregadas não é possível utilizar o componente assinador e as NFSEs não são geradas.

Para sanar o problema, recomendamos:

  1. Desinstalar as versões anteriores do Java;
  2. Limpar o cache do seu navegador (https://www.java.com/pt_BR/download/help/webcache.xml) e fechá-lo em seguida;
  3. Na guia “Avançado” do painel de configuração do Java, marcar a opção “Listas de Revogação de Certificado (CRLs), no grupo “Verificar a revogação do certificado TLS usando”;
  4. Limpar o cache do Java;
  5. Setar o nível de segurança do Java para “Alto”;
  6. Restaurar os prompts de segurança do Java (https://www.java.com/pt_BR/download/help/restore_prompts.xml)
Para efetuar os passos 3, 4 e 5, siga as imagens abaixo:
1) No Windows, abra o menu “Iniciar” e entre no Painel de Controle;
2) Dentro do Painel de Controle, pesquise por “java” e abra o aplicativo de configuração que é exibido;

3) Na aba “Avançado” do Java, execute o passo 3 e clique em “Aplicar”

4) Na aba “Geral” do Java, faça o procedimento de limpeza do cache (passo 4), conforme as figuras abaixo;

5) Na aba “Segurança”, execute o passo 5;

Adicionalmente, se o seu token (tipo A3)  for da Safenet , siga as instruções da página 8 à 10 do Manual de Configuração ESEC.

Após realizar todas as configurações acima, insira o seu token na entrada USB do computador ou o cartão eCNPJ na leitora (caso seu ceritfiicado for do tipo A3) e acesse os seguintes links (APÓS REINIICAR O SEU NAVEGADOR!):

Ao acessar os links citados, clique em “Configurações do Certificado Digital” e selecione a opção com a qual está trabalhando, confome instruções da página 2 à 6 doManual de Configuração ESEC . Caso surja uma janela solicitando a sua autorização para executar o Java, dê a permissão.

Finalmente, teste a assinatura ao clicar no botão “Assinar”.

Se obtiver como resposta a figura abaixo já estará apto para realizar o Cadastramento com Certitificado digital e/ou a Emissão de NFSE.

Veículo não pode ser guinchado por não pagamento de IPVA

vaículo com IPVA atrasado não ode ser guinchado

Os veículos precisam cumprir várias condições para que possam circular nas vias públicas. Desde características físicas, como a manutenção de seus componentes e como a regularização de documentação.

Se você for multado, recorrendo pode pagar o IPVA sem precisar pagar o valor da multa.

Várias destas qualidades são geradoras de infrações de trânsito, pois é proibida por lei a circulação de veículos sem essas condições mínimas. Uma destas condições é o pagamento do IPVA – imposto sobre propriedade de veículos automotores.

Mas você sabia que a cobrança deste imposto pode estar sendo feita de modo ilegal? De que o seu veículo não poderia ser guinchado em Blitz de cobrança de IPVA?

Muitos dos veículos guinchados por falta de pagamento de IPVA não poderiam ser alvo deste procedimento.

Para onde vai o IPVA?

20% do IPVA vai para o Fundeb

O IPVA, como o próprio nome já diz, é um imposto cobrado do proprietário do veículo, com previsão legal para sua aplicação na nossa Constituição Federal. Lá está previsto que o valor arrecadado será dividido da seguinte forma: 20% para o FUNDEB[1], e deste saldo metade para o orçamento do Estado e a outra para o Município onde está registrado o veículo.

Contudo, a Lei faz apenas está previsão. Dispõe somente como será repartido o valor arrecadado entre as unidades da federação, ficando a efetiva aplicação a cargo dos órgãos públicos.

Muito deste valor acaba sendo aplicado em questões que não são relacionadas ao trânsito.

Mas quais são os requisitos para transitar com veículo em vias públicas?

blitz lei seca

Todos os veículos devem cumprir requisitos para que possam circular nas vias públicas. Entre estes itens obrigatórios destacam-se aqueles que servem para segurança do trânsito e para a dos próprios condutores.

Estes itens estão elencados no artigo  105 do Código de Trânsito Brasileiro, os quais nós transcrevemos aqui para você:

Art. 105. São equipamentos obrigatórios dos veículos, entre outros a serem estabelecidos pelo CONTRAN:

I – cinto de segurança, conforme regulamentação específica do CONTRAN, com exceção dos veículos destinados ao transporte de passageiros em percursos em que seja permitido viajar em pé;

II – para os veículos de transporte e de condução escolar, os de transporte de passageiros com mais de dez lugares e os de carga com peso bruto total superior a quatro mil, quinhentos e trinta e seis quilogramas, equipamento registrador instantâneo inalterável de velocidade e tempo;

III – encosto de cabeça, para todos os tipos de veículos automotores, segundo normas estabelecidas pelo CONTRAN;

IV – (VETADO)

V – dispositivo destinado ao controle de emissão de gases poluentes e de ruído, segundo normas estabelecidas pelo CONTRAN.

VI – para as bicicletas, a campainha, sinalização noturna dianteira, traseira, lateral e nos pedais, e espelho retrovisor do lado esquerdo.

VII – equipamento suplementar de retenção – air bag frontal para o condutor e o passageiro do banco dianteiro.

  • 1º O CONTRAN disciplinará o uso dos equipamentos obrigatórios dos veículos e determinará suas especificações técnicas.
  • 2º Nenhum veículo poderá transitar com equipamento ou acessório proibido, sendo o infrator sujeito às penalidades e medidas administrativas previstas neste Código.

 

Além dos itens de segurança, também são essenciais à circulação toda a documentação e requisitos burocráticos. Entre os principais listamos o CRLV[2] e pagamento do seguro obrigatório.

Para obter o CRLV atualizado, documento de porte obrigatório para transitar, é necessário pagar o IPVA anualmente.

OBS: Aqui vale lembrar a Lei 13.281, que entrará em vigor em novembro corrente, que estabelece que o porte do CRLV será dispensado quando, no momento da fiscalização, for possível ter acesso ao devido sistema informatizado para verificar se o veículo está licenciado.

Mas o veículo pode ser guinchado por não pagamento de IPVA?

carro guinchado por IPVA

Os Estados e Municípios, principalmente nesta época de vencimento dos documentos de CRLV, costumam organizar operações para fiscalizar motoristas que não estejam com a documentação em dia.

Estas operações, que são comumente chamadas de Blitz, muitas vezes tem a única finalidade de averiguar a documentação do veículo. Tanto é que, logo após a data de vencimento da maioria dos documentos o número de Blitz aumenta consideravelmente.

Contudo, este tipo de operação de fiscalização é vedado por lei!

Segundo a nossa Constituição Federal é proibida a cobrança coercitiva de qualquer tributo, e nisso está incluído o IPVA.

Apesar de haver a previsão para, incorrendo na infração prevista no artigo 230 do CTB, o veículo seja removido do local, até que se regularize a questão fiscal.

Diante disso, vem se sustentando pelos melhores Doutrinadores e também na jurisprudência pela ilegalidade no guinchamento de veículos pelo atraso no IPVA.

Inclusive, transcrevemos decisão do Tribunal de Justiça da Bahia:

“A malsinada blitz do IPVA impõe ao cidadão proprietário de veículo dupla penalização. A primeira, por fazê-lo suportar a perda temporária de um bem cujo domínio lhe pertence, sem ao menos, repita-se, respeito ao contraditório e à plenitude de defesa. A segunda, por obrigá-lo a arcar com o ônus da permanência de seu veículo no depósito e e de utilização do serviço de guincho”.

“A formatação escolhida para o atuar estatal revela-se, igualmente, abusiva, poisimpõe cobrança para pagamento imediato e indiscutido. Essa vertente, aliás,confirma o caráter inconstitucional da apreensão, já que despreza o direito do cidadão de somente ter um bem retirado de seu patrimônio depois de observado o devido processo legal, seja ele administrativo, seja ele judicial”.

Se você levou uma multa ou teve o veículo guinchado é importante que você recorra, pois há grandes chances de conseguir reverter esta infração.

Também é muito importante recorrer para evitar que novas multas injustas sejam aplicadas, pois os Condutores estão cada vez mais atentos aos seus direitos.

Se você for multado, recorrendo pode pagar o IPVA sem precisar pagar o valor da multa.

Fonte: doutormultas

Qual a melhor alternativa para o fim do emissor de NFe gratuito da SEFAZ?

Logo SDCXA Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo informou que irá descontinuar seus sistemas gratuitos para a emissão de Nota Fiscal Eletrônica (NF-e) e do Conhecimento de Transporte (CT-e). Em dia 1º de Janeiro de 2017, o download do emissor gratuito já não será mais oferecido. A partir desta data, também não serão feitas novas atualizações, o que dificulta a vida de quem já baixou e utiliza o aplicativo.

O jeito é procurar outra alternativa para continuar emitindo NF-e, sem deixar que a sua empresa seja prejudicada ou multada. Felizmente, o objetivo deste post é ajudá-lo com isso. Continue lendo!

Por que o emissor da SEFAZ está com os dias contados?

Uma pesquisa feita pela própria SEFAZ apontou que grande parte dos empresários migrou para outros emissores, mais completos e integrados com outros softwares, e este foi um dos motivos pelos quais a Secretaria optou por descontinuar o sistema.

Ainda assim, a notícia pegou muita gente de surpresa e causou burburinho entre os usuários do emissor de NFe gratuito. Isso porque a emissão de notas fiscais é obrigatória para as empresas (exceto MEI em alguns Estados brasileiros) e o trabalho não pode ser interrompido.

Qual a melhor alternativa para emitir NFe?

A SEFAZ recomendou que seus usuários comecem a procurar outras soluções desde já. Isso porque mesmo quem já tem o sistema instalado em seu computador terá o uso prejudicado caso haja alguma alteração nas regras de validação da NF-e e CT-e a partir de 1º de Janeiro de 2017.

Portanto, a melhor alternativa é buscar outro emissor o quanto antes. Tomar essa iniciativa agora vai facilitar a sua rotina e garantir que você não deixe de cumprir a legislação vigente, algo que pode comprometer até mesmo o orçamento da sua empresa. Uma dica é procurar o seu escritório de contabilidade para indicações de outro sistema para emissão de NF-e.

Depois de tomar a sua decisão, será preciso seguir alguns passos:

1 – Credenciar o seu novo emissor junto à SEFAZ do seu Estado.

Geralmente, este cadastro é bem simples e pode ser feito através do site da Secretaria da Fazenda. Seu contador poderá te orientar melhor sobre este tema.

2 – Conferir a validade do seu Certificado Digital.

O Certificado Digital é essencial para emissão de notas fiscais eletrônicas e você precisará migrá-lo para seu novo sistema. Caso ainda não tenha ou precise renovar este documento, procure uma Certificadora autorizada pela ICP (Autoridade de Chaves Públicas).

3 – Cadastrar as informações da sua empresa no novo emissor.

Para começar a emitir suas notas fiscais eletrônicas com outro software, você precisará preencher as informações da sua empresa, como CNPJ, Inscrição Estadual, Regime Tributário e afins. Isso pode variar de acordo com o emissor, mas a regra geral é a mesma.

Emissor de NF-e da SDCX

A SDCX oferece uma alternativa fácil de usar e de entender para gerar NF-e, NFS-e e NFC-e. O software, chamado SDCX NF-e, não exige instalação no computador do usuário (é online e pode ser acessado de qualquer lugar, através da Internet) e não possui limite para emissão de notas. Em média 5x mais rápido que o emissor gratuito da SEFAZ, o SDCX NF-e ainda faz o cálculo automático de valores e impostos, oferece backup das NFe emitidas por até 5 anos e tem suporte.

Temos ainda todos os Sistemas Alterdata Software

logo alterdata
Parceiros

Quer saber mais sobre o SDCX NF-e? Ligue para 32 98808-4792 ou acesse www.sdcx.com.br e conheça nossos sistemas!

Delphi: Como criar um gerenciador para sua rede

Para criarmos um programa que “gerencie” a nossa rede, seja tanto em caso como no trabalho, temos que criar dois programas: um programa servidor, que ficará nas máquinas que queremos controlar; e um programa cliente, que irá rodar na máquina que queremos usar para controlar os outros computadores.

Primeiramente, devemos criar o programa servidor. Nele colocaremos os componentes ClientSocket (Internet) e NMMsgServ (FastNet). Logo após iremos clicar no menu Project/View Source. Nos será mostrado o código base da aplicação. Devemos colocar o seguinte comando após o begin:

Application.ShowMainForm:=False;

Isso serve para que quando a aplicação seja iniciada, ela não mostre o form principal, ficando invisível ao usuário que estará utilizando o computador. Depois, devemos mudar a propriedade Port do componente NMMsgServ para a porta que você quiser, ou deixar com está (6711). Você deve mudar se existir outro programa usando esta porta ou um firewall bloqueando-a. No meu caso, deixei como 6711.

Agora, no evento OnMSG, devemos colocar o que o programa deve fazer quando receber determinada mensagem. Nesse exemplo, ao receber a mensagem “desligar”, ele irá desligar o computador. Colocarei o comando que é usado para desligar o Windows 98, mas você pode perfeitamente colocar aquela procedure que server para desligar qualquer Windows, só não coloco aqui porque ela é muito grande.

if sMsg = “desligar” then
begin
WinExec(“C:\Windows\rundll32.exe user.exe,exitwindows”,sw_hide);
end;

Ou seja, quando a mensagem “desligar” for enviada para o programa ele irá desligar o Windows 98. Você pode fazer isso e colocar um else depois e fazer com que o programa aceite outros comandos, como por exemplo:

if sMsg = “desligar” then
begin
WinExec(“C:\Windows\rundll32.exe user.exe,exitwindows”,sw_hide);
end
else
if sMsg = “monitor” then
begin
DesligaMonitor(True);
end;

Então ele irá desligar o monitor quando receber a mensagem “monitor”. Claro que do jeito que está neste exemplo, a procedure DesligaMonitor deve estar declarada antes.

Depois de colocar todas as suas funções e procedures, você pode colocar no evento OnCreate do form, um procedure que coloque seu programa no registro para iniciar junto com o Windows ou pode colocar ele como uma tarefa agendada do Windows, para que ele inicie com o Windows.

Agora, temos que criar o programa cliente, para que possamos gerenciar nossos computadores. Crie uma nova aplicação, com os componentes ClientSocket (Internet) e NMMsg (FastNet). Não esqueça de mudar a porta para a que você configurou no servidor. Se você não mudou no servidor, também não precisa mudar no cliente, pois já vai estar com 6711. Agora, coloque um Edit, um Label e um Button. No Caption do Label, coloque “Host” e no Caption do Button coloque “Conectar”. No botão Conectar, coloque o seguinte código:

procedure TForm1.Button1Click(Sender: TObject);
var
comp:string;
begin
comp:=Edit1.Text;
NMMsg1.Host:=comp;
try
NMMsg1.Connect;
ShowMessage(“Conectado.”);
except
ShowMessage(“Erro ao Conectar.”);
end;
end;

Para funcionar, você deve colocar o IP ou o nome de Host do computador que quer controlar e depois clicar em “Conectar”. Se a conexão for possível, irá aparecer uma mensagem dizendo “Conectado”, caso contrário irá dar erro. Agora estou conectado e daí? Agora, vamos colocar um outro botão e alterar o seu Caption para “Desligar”. No código do botão, coloque:

if NMMsg1.Connected=True then
NMMsg1.Disconnect;
NMMsg1.PostIt(“desligar”);
NMMsg1.Connect;

Ou seja, quando você conectar e clicar em “desligar”, o computador a que você está conectado irá desligar. Podemos colocar outro botão com o código e trocar o “desligar” por “monitor”, então o monitor do computador seria desligado.

Outra coisa interessante é que podemos fazer um cliente mais aperfeiçoado, por exemplo, que mande estes comandos para uma faixa de IPs e assim, desligar vários computadores ou desligar os monitores de todos eles. Isso é interessante em empresas ou até mesmo em casa quando se quer enconomizar um pouco de energia e configurar o programa para que mande o comando de desligar o monitor para todos os computadores na rede ao meio-dia, para economizar na energia gasta por eles e configurar para que no fim no expediente (as 7:00 por exemplo), ele mande o comando de desligar o computador para os PCs da rede, evitando que algum fique ligado e que alguém tenha que ver se todos estão desligados, poupando energia e esforços.

Logo SDCX

Dicas de viagem segura

E todo fim de ano, uma das coisas que mais aumentam é o fluxo de veículos pelas rodovias do país. Quer seja de moto ou de carro, a segurança precisa ser o principal objetivo de qualquer um que planeja sair da cidade; vamos a listagem de uma série de dicas para os motociclistas seguirem suas aventuras.
Os procedimentos abrangem desde a verificação dos equipamentos de segurança e vestuário, até o planejamento e roteiro de viagem a serem seguidos.
kansas
Itens de Segurança
O próprio motociclista pode revisar alguns itens da motocicleta para se prevenir de eventuais problemas em comandos e manter peças e acessórios em estado adequado. Verificar a lubrificação da corrente de transmissão, a condição dos pneus e das rodas, o nível do óleo do motor, conferência do sistema elétrico (luzes e baterias), entre outras, são medidas preventivas e de fácil execução. Por haver a possibilidade de algum trecho do percurso não contar com assistência técnica, é necessário que a moto esteja em perfeitas condições de dirigibilidade antes de sair de casa. Um item essencial para fazer uma viagem segura é a parte elétrica. Necessita-se observar se todas as luzes (de freio, piscas, lanterna, farol e painel) estão em perfeito funcionamento. Uma luz queimada ou com algum tipo de irregularidade também pode acarretar em multas caso haja uma blitz policial pelo percurso. A atenção do motociclista precisa ser redobrada à situação dos pneus, cabos de embreagem, do acelerador e do sistema de freios, que precisam estar devidamente regulados e lubrificados. Um detalhe: caso o freio seja hidráulico, deve-se ficar atento para o nível de fluído que, se estiver abaixo do mínimo estipulado, representa vazamento ou desgaste excessivo da pastilha. É indispensável que sejam conferidas diariamente a folga e a lubrificação da corrente de transmissão, em função do risco de danos e acidentes no caso de não estarem de acordo com as especificações da motoca. O piloto deve estar atento também para a troca de filtro de óleo e a limpeza do filtro de ar para que a lubrificação do motor não fique comprometida. O filtro de óleo deve ser limpo ou substituído a cada seis mil quilômetros. Por absorver muitas impurezas, o filtro de ar precisa ser limpo para evitar maior desgaste de anéis e cilindros do motor. Se este for de espuma, indica-se que seja lavado com querosene e reaplicado óleo de motor, espremendo para tirar o excesso. Recomenda-se verificar o nível do óleo lubrificante do motor. Realizar o preenchimento até o indicado ou a troca total é fundamental para o bom funcionamento do veículo. Outra dica: olhar o nível do líquido de arrefecimento, caso a motocicleta seja dotada de radiador. Além de tomar cuidados com todos esses componentes, o motociclista precisa estar preparado para qualquer imprevisto na viagem. Por isso, ele deve carregar um kit extra, composto por jogo básico de ferramentas, câmara de ar, lâmpada de farol e da lanterna traseira.
Vestuário
Motociclista e garupa devem estar atentos às roupas e aos acessórios que serão utilizados ao longo da viagem. É essencial verificar o prazo de validade do capacete. Esse equipamento deve ser ajustado de forma a não ficar apertado nem folgado. A viseira é outro item que exige cuidado: precisa estar sempre limpa e sem riscos. O usuário pode aplicar um produto do lado externo para impedir o acúmulo de água da chuva. Por dentro, é aconselhável usar um anti-embaçante. Roupas de cor clara, que facilitam a visão de outros motociclistas, principalmente à noite, calças e jaquetas confeccionadas em tecido grosso, couro ou material similar, são indispensáveis, bem como sapatos que protejam o calcanhar ou botas, luvas e capas de chuva. O usuário deve evitar o excesso de peso da bagagem para não comprometer a segurança. Os pertences podem ser acomodados em uma mochila, presa nas costas do piloto ou do garupa, ou ainda numa bolsa devidamente fixada no bagageiro da motocicleta. É recomendado embalar o conteúdo da bagagem, assim como documentos pessoais e da motocicleta, em sacos plásticos para evitar que molhem em caso de chuva.
Roteiro
Antes de partir para o destino, é crucial conferir se existem postos de combustível e restaurantes no trajeto. Ao parar para abastecer, a recomendação dos instrutores de pilotagem da Honda é checar o nível do óleo do motor – para evitar eventuais vazamentos, o nível não deve ser ultrapassado – e a calibragem dos pneus. No caso de viagem com garupa, por exemplo, o pneu traseiro deve receber pressão maior para compensar o peso extra. O motociclista deve prestar atenção à presença de objetos presos, como cacos de vidro e pedras, além de verificar se algum raio da roda está quebrado para que não perfure posteriormente a câmara de ar. As dicas para uma dirigibilidade mais segura não estão ligadas apenas ao veículo de duas rodas. É necessário também que o motociclista faça uma parada a cada 90 minutos para movimentar os músculos. Isso ajuda a evitar os efeitos da fadiga e da ação do vento. Para assegurar comodidade e melhor rendimento, é aconselhável aquecer-se e fazer exercícios de alongamento nas paradas. Seguindo os procedimentos, os aventureiros terão garantido um ótimo desfruto da viagem, além da chegada tranquila a seu destino. Depois é só curtir as comemorações, quer sejam de Natal ou de ano novo!

Link2Sd – Transfira seus Apps para o cartão de memória

Uma das restrições que encontramos em nossos X10 Mini Pro é a pouca quantidade de memória interna. Instalamos alguns apps e pronto! A memória está cheia. Para contornarmos isso existe a opção de instalação dos apps diretamente no cartão SD, coisa que o Android 2.2 (Froyo) já faz por Default. Confesso que um dos motivos que me fez fazer root no meu mini pro foi justamente a intenção de contornar este problema, no entanto, após rotear o celular notei que para usar o app App2Sd teria que fazer uma série de modificações como instalar uma nova Rom, atualizar o OS, limpar todo conteúdo do cartão de memória, utilizar comandos via ADB e outras modificações que demandariam muito trabalho e riscos. Segue aqui um pequeno tutorial de como fazer este procedimento usando o Aplicativo chamado Link2SD.

O que o Link2SD faz ?

Como o próprio nome sugere, o aplicativo transfere os apps para o cartão de memória criando um Link no sistema Android. Assim o Android apenas guardará no seu sistema uma referência ao app e não o próprio app, consumindo assim um espaço infinitamente menor na sua memória interna.

O procedimento é arriscado ?

De forma alguma, basta um aparelho rooteado. Não envolve conhecimentos avançados, nem instalação de novas ROM’s

Qual o ganho de memória esperado ?

Imagem Postada

No meu caso estava com alguns poucos e básicos apps instalados no X10 mini pro e o Android já estava acusando “pouca memória interna” coisa que ele faz quando chagamos a apenas 20mb de memória livre. Após a configuração do Link2SD minha memória livre chegou a espantosos 120mb, hoje tenho mais de 200 app instalados (fora os de sistema) e ainda me sobram 63mb de memória livre. Ou seja, compensa e muito.

Vamos a configuração:

1) Primeiramente faça Backup de todo conteúdo do seu cartão SD. Este procedimento é bem símples, basta conectar o celular via USB selecionar “montar cartão SD” no aparelho. Abra o drive do cartão pelo explorer do windows. Vá em “ferramentas” “opções de pastas” “modo de exibição” e selecione “mostrar pastas e arquivos ocultos” agora crie uma pasta no seu Desktop e copie todo conteúdo do cartão de memória para a mesma. Feito isso, pode desmontar o cartão SD e desconectar o Cel.

2)Formatando e particionando o cartão de memória.

A) Precisamos agora criar uma nova partição em nosso cartão SD e para isso utilizaremos o programa MiniTool Partition Wizard 5.2. Baixe o programa e instale no seu PC / Notebbok.

B-) No seu celular você deve entrar em “configurações” “aplicativos” “desenvolvimento” selecione as opções “Depuração USB” e “Permitir locais Fictícios” Agora pode conectar o cel. novamente no PC e montar o cartão SD.

C) Feito isso vamos agora trabalhar com o MiniTool Partition Wizard (você pode encontrar o programa “free” facilmente pela net)

Abra o MiniTool, deve aparecer a imagem seguinte:

C1) Disk 2 representa o seu cartão de memória, nós vamos deletar esta partição e criar duas novas. (desconsidere o tamanho das partições mostradas nas imagens pois servem apenas a título de exemplo)

Imagem Postada

C2) Agora clique com o botão direito do mouse na parte cinza “unallocated” e crie uma nova partição

Imagem Postada

C3) Escolha as opções Primary e FAT32, com o mouse escolha o tamanho da partição. o que sobrar irá ser a partição do Link2SD. Ou seja, neste passo o tamanho da partição vai variar de acordo com o tamanho do seu cartão de memória. Notem na minha primeira imagem (qual o ganho de memória esperado?) que como possuo o cartão original que acompanha o cel. 4Gb formatei da seguinte maneira. SD Card 3.18Gb deixando o restante para a segunda partição, no meu caso, Sd card 2nd pat 501Mb.

Imagem Postada

C4) Agora vamos criar outra nova partição, no caso uma partição Ext2. Clique com o direito novamente em “Unallocated” e clique em create.

Imagem Postada

C5) Agora escolha Primary e Ext2, essa será a partição do Link2Sd. No meu caso criei uma partição com 501Mb que foi o espaço sobrado no meu cartão SD.

Imagem Postada

C6) Por fim clique em Aplly no canto esquerdo superior.

Imagem Postada

C7) Agora desmonte o cartão SD, desconecte o celular e reinicie o mesmo (não esqueça, tem que reiniciar o cel).

2) Trabalhando com o Link2SD

Imagem Postada

2-1) Na tela inicial do aplicativo entre nas configurações e selecione “Filter”

Imagem Postada

2-2) Selecionando como na imagem a seguir o app apresentará uma lista de todos os apps instalados no seu cel com exceção dos apps do sistema.

Imagem Postada

2-3) Clicando em qualquer app listado deve aparecer a imagem seguinte. Você deve clicar em “Create Link” e a partir daí, caso apareçam outras mensagens é só ir dando ok.

Imagem Postada

2-4) Refaça novamente o procedimento para ir passando outros apps para o cartão de memória.

2-5) Depois de terminado o procedimento você deve clicar em “Storage Info” para visualizar como ficaram distribuídos os seus apps dentro do cartão e memória interna do Cel.

Imagem Postada

2-6) Agora você tem que reiniciar o Cel. caso contrário os seus apps não vão aparecer na sua lista de app padrão do seu Android. Caso você esteja usando apps que utilizam Widget, provavelmente você terá que adicioná-los novamente na sua tela inicial.

Está pronto! Agora você tem bastante espaço livre para instalar o que quiser. Lembre-se que a medida que for instalando novos app você terá que fazer o procedimento novamente para direcionar o novo app para o cartão de memória. Espero que tenha ajudado a todos.