Criando pendrive bootável do windows com prompt de comando (CMD)

Tenho visto que muitos pessoas tem procurado um tutorial bem explicativo a respeito de criação de um pendrive bootável do Windows, seja ele XP, 7, 8 ou 8.1. Para criar o pendrive bootável do Windows, no meu caso utilizarei uma ISO do Windows 7 contendo todas as versão 32 e 64Bits (A.I.O) ou um DVD de Instalação. Dependendo do Windows alguns comando no prompt de comando (CMD) podem mudar.

Passo a Passo:
1. Plug seu pendrive na porta USB e mova todo o conteúdo para um local seguro no seu HD, pois todo conteúdo será APAGADO!
2. Abra o prompt de comando (CMD) como ADMINISTRADOR, para isso:

    • No Windows 7: Clique no menu iniciar>Todos os Programas>Acessórios e clique com o botão direito do mouse em prompt de comando (CMD), em seguida em “Executar como Administrador”.
    • No Windows 8, 8.1 e 10: No caso do 8 e 8.1 utilize o pesquisar (Winkey + Q). para executar como administrador clique com botão direito.
    • Windows XP:
    não necessitar executar como administrador.

3. Com o Prompt aberto digite o comando DISKPARTe pressionando a tecla <Enter> o UAC (User Account Control) pedirá permissão para executar o Clicando em Sim, abrirá outra tela com o Prompt do DISKPARTcomo mostro nas duas imagens a seguir.

prompt_cmd
Tela do Prompt de Comando (CMD)
tela_do_diskpart
Tela do DiskPart

4. Na tela do prompt do DISKPART, digite LIST DISK  e depois tecle <Enter>.  Aparecerão as informações referentes aos discos conectados ao computador, conforme mostrado abaixo.

tela_do_diskpart_list-disk

5. A seguir,  digitaremos o comando SELECT DISK Nº, onde Nº será o número do disco referente ao Pen Drive, no meu caso é o número 1. Tome cuidado para não digitar o número correspondente a outro disco.

6. Agora que a unidade USB está selecionada, os próximos comandos irão preparar o Pen Drive para receber os arquivos de instalação Windows.

7. Digite CLEAN e depois tecle <Enter>. Este comando limpará tudo o que tiver dentro do Pen Drive.

8. Após o comando de limpeza, criaremos a partição primária no Pen Drive com o comando CREATE PARTITION PRIMARY. Lembrando que sempre após digitar um comando, pressionar tecla <Enter>, para executá-lo.

9. A seguir usaremos o comando FORMAT FS=FAT32 QUICK, que formatará o Pen Drive para o formato Fat32 e a0 usar a opção Quick (não é o fundamental), fará o processo de formatação de forma rápida.

10. Terminada a formatação digite ACTIVE e depois tecle <Enter>, para ativar a partição.

11. Digite EXIT  e tecle <Enter> para sair do Prompt do DISKPART – pode estar fechando a janela do Prompt de Comando também.

12. Terminado os processos acima, com a mídia de DVD do Windows na leitora, copie todos os arquivos e pastas do DVD  para a unidade referente ao Pen Drive. Caso esteja utilizando uma ISO extraia com o Winrar e copie todos os arquivos para dentro do Pen Drive.

13. Pronto! Agora o Pen Drive já está pronto para ser utilizado como Boot

5 coisas que você sempre faz com seu celular, mas não deveria

Tudo bem, nós aceitamos que você não seja daqueles que leem cada cantinho do manual de instruções de seu celular e seguem absolutamente todas as recomendações feitas por ele. Mas convenhamos que algumas pessoas costumam levar o descuido com seus eletrônicos a extremos; muitas delas, de fato, nem mesmo pensam ou sabem que a maneira como elas tratam seus dispositivos pode fazer mal a eles.Pensando nisso, o site Metro criou uma lista simples com alguns dos principais descuidos que as pessoas cometem com seus amados smartphones – seja algo que pode estragar seu aparelho ou que coloca você mesmo em risco. E acredite: ao fim dessa matéria, você vai se surpreender ao ver que não está cuidando de seu celular como devia.

1- Deixar de atualizar seus apps

Está aí um dos problemas mais comuns que acontecem atualmente. Lá está você, desconectado de uma rede WiFi e com pouca bateria, quando seu smartphone avisa que há 25 novas atualizações para seus aplicativos. Gastar sua franquia de internet móvel só para um monte de updates “desnecessários”? Nem pensar.Apesar de a situação acima ser compreensível, muitos acabam levando isso a extremos e, seja pelo descuido, por medo de um update que possa ser problemático ou pura preguiça, deixam de fazer toda e qualquer atualização no sistema. A grande maioria de nossos leitores já sabe por que isso é um problema: deixar atualizações de lado significa ficar sem patchs importantes de bugs e brechas de segurança que podem expor seus dados a terceiros.Além disso, é bom lembrar que, sem updates, você pode deixar de ganhar melhorias muito bem-vindas aos seus apps e softwares, como um aumento de desempenho ou novas ferramentas.

2- Não usar senhas em seu celular

O uso de senhas é algo necessário para proteger seus dados de terceiros
Que atire a pedra quem não tem preguiça de usar qualquer tipo de segurança em seu smartphone além das senhas na tela de desbloqueio. Imagine então configurar seu celular para colocar senhas separadamente para cada aplicativo: se você perguntar para seus amigos, provavelmente um ou dois deles, com muita sorte, vão dizer que usam qualquer método de proteção além do mais básico em seus eletrônicos.O perigo nesse caso é bastante óbvio. Basicamente, se um hacker ou outro criminoso tiver acesso ao seu smartphone de qualquer forma que seja, todas as suas informações mais pessoais – de fotos a mensagens trocadas, dados de seus perfis e até de suas contas de banco e do cartão de crédito – ficam a fácil acesso.Logo, o mais recomendado é sempre adicionar o maior número possível de senhas em seu celular (sempre tentando usar códigos diferentes, é claro) ou até mesmo utilizar aplicativos para adicionar uma proteção de senha extra. Isso não vai deixar seu aparelho completamente protegido contra ladrões, já que nenhuma senha é perfeita, mas pode dar tempo para que você limpe seus dados do dispositivo.Não, não vamos negar: incluir várias senhas realmente pode tornar o uso de seu smartphone especialmente irritante, e correr o risco de perder seus dados por usar um aplicativo de segurança e esquecer a senha é realmente um problema. Mas isso ainda é melhor do que deixar todos os seus dados mais preciosos à mercê de criminosos.

3- Acessar redes WiFi públicas

É fácil para terceiros monitorarem o que você acessa e utiliza em redes WiFi públicas
Está aí um item que praticamente todo mundo sabe que deve evitar, mas faz mesmo assim – afinal, que mal pode haver em economizar meus dados móveis e entrar na rede WiFi de um shopping ou uma loja, por exemplo? Bastante, na verdade.O fato é que, para quem sabe procurar, redes públicas são um mar aberto para que pessoas roubem suas informações, coletando dados de tudo o que você acessa ou compartilha naquela rede. Por isso, o mais recomendado nessas horas é usar ferramentas VPN para mascarar seus dados e protegê-los de qualquer monitoramento.Se se conectar a uma rede WiFi for inevitável e não houver como proteger seus dados, a solução é evitar a qualquer custo entrar em páginas importantes e, acima de tudo, acessar serviços que peçam algum tipo de login ou senha.

4- Usar um carregador “xing-ling”

Pagar a metade do preço por um carregador não original pode custar caro mais tarde
Perder seu carregador é algo bastante comum para as pessoas hoje em dia; é uma infelicidade, mas é normal. Tão normal quanto isso, de fato, é ver pessoas comprando carregadores genéricos no lugar da versão original para substituir seu celular – e isso é um dos piores erros que alguém pode cometer.Não faltam motivos para que apostar em algo assim seja uma péssima ideia. Além de esses dispositivos serem muito mais suscetíveis a problemas e terem grandes chances de curtos ou até explosões, testes já provaram que carregadores xing-ling costumam ter uma estabilidade e eficiência de carga inferior. E eles ainda sofrem com enormes flutuações de corrente, o que pode não apenas estragar seu aparelho, mas também colocá-lo em chamas.Assim, por mais caro que seja seu carregador, é melhor desembolsar o valor para comprar um original. Afinal, além do desempenho superior, não há riscos de ele adicionar seu próprio smartphone à lista dos prejuízos.

5- Não limpar seu celular

Se for levar seu celular ao banheiro, lembre-se de limpá-lo depois
Para terminar, mais uma dica que, para muitos, deve parecer bastante óbvia. Deixar seu smartphone limpo é extremamente importante não apenas para mantê-lo em bom estado de conservação, mas para evitar a transmissão de doenças perigosas – incluindo algumas como a salmonela, a E. Col e a C. Difficile.Não pense, porém, que seu smartphone está limpinho só porque você não andou derrubando-o no chão ou em contato direto com substâncias nojentas. Se você duvida, basta lembrar da última vez que levou o aparelho ao banheiro enquanto estava em seus “afazeres”: lembrou-se de limpá-lo cuidadosamente depois de sair de lá? Se sua resposta foi “não”, então é bom avisar que seu dispositivo provavelmente está cheio de vírus e coliformes fecais em toda a sua superfície.Felizmente, a solução desse caso é uma das mais simples. Basta lembrar de limpar seu celular direito com frequência; no mínimo, a cada um ou dois dias para evitar que ele acabe tomado por bactérias perigosas.

WhatsApp: como recuperar mensagens apagadas em seu Android

WhatsApp é um dos mensageiros mais populares da atualidade, e serviços dedicados à troca de conversas geralmente contam com mecanismos que permitem a exclusão de diálogos para proteção da privacidade. No entanto, e se for preciso restaurar dados apagados? A verdade é que o WhatsApp possui restrições quanto à sua capacidade de recuperação de mensagens.Mas o drama de quem precisa resgatar o que foi dito e então excluído através do WhatsApp está prestes a acabar. É que um gerenciador de dados promete recuperar mensagens que foram apagadas. Vale notar, porém, que a execução dos passos descritos a seguir pode não restaurar todo o seu bate-papo.Durante nossos testes, as mensagens foram devidamente recuperadas. Assim, se você realmente precisa resgatar aquela mensagem deletada, seguir as dicas a seguir pode ser uma das suas melhores opções. Atenção: para que os textos possam ser recuperados, o WhatsApp deverá ser desinstalado. Portanto, certifique-se de fazer seus backups, e mãos à obra.

Passo 1 – Desinstale o app

Se sua mensagem foi trocada no período de até 24 horas, basta desinstalar e instalar novamente o aplicativo. Durante o processo de reinstalação, uma mensagem vai sugerir a restauração de mensagens. Basta tocar em “Recuperar” e pronto: nenhum app alternativo terá de ser instalado. Porém, se a conversa a ser resgatada aconteceu há mais tempo, um gerenciador de arquivos precisa ser baixado via Google Play, e seu WhatsApp deverá ser desinstalado.

Passo 2 – Instale o Gerenciador de Arquivos

O Gerenciador de Arquivos (ou Clean File Manager) é, justamente, um software que permite acesso às pastas de dados do sistema Android – outra opção de gerenciador de arquivos é o Web PC Suite, que precisa ser operado por meio de um computador.Uma vez desinstalado o WhatsApp e baixado o Gerenciador de Arquivos (clique aqui), o local de armazenamento de dados de seu Android deverá ser acessado.
Abra o aplicativo e selecione “Memória do sistema” ou “Memória interna” – em nosso caso, a segunda opção foi marcada. Vá até a pasta “WhatsApp” e, em seguida, toque sobre “Databases” – este é o local em que as mensagens trocadas ficam armazenadas.

Passo 3 – Altere o nome dos arquivos

Os arquivos hospedados na pasta “Databases” correspondem às suas conversas. Porém, para que a restauração possa ser feita, os registros terão de ser renomeados. Acontece que cada um deles possui uma data – veja o exemplo abaixo, com as datas do mês de janeiro.

Em vermelho, os arquivos de conversas passadas; em azul, a conversa atual, que pode ser renomeada (em nosso caso, complementamos com “hoje”).
O truque está aqui: no momento em que você instalar novamente o WhatsApp, a restauração de conversas será sugerida. Acontece que apenas o arquivo do dia pode ser resgatado, e o documento sem data na pasta “Databases” é que corresponde à sua conversa atual. Para que você não perca seu backup, sugerimos a renomeação do registro – em nosso caso, renomeamos o documento para “hoje”.
Mas como recuperar as conversas de, por exemplo, nove dias atrás? Selecione o arquivo na pasta “Databases” de um dia determinado e, então, remova os números que indicam a data. Esse processo fará com que o WhatsApp identifique a conversa editada como sendo a mais recente.

Remova os números da data e faça com que o WhatsApp “pense” que a sua conversa atual é aquela que foi deletada.

Passo 4 – Reinstale o WhatsApp

Baixe novamente o e WhatsApp, durante a instalação, selecione a opção “Recuperar”. O aplicativo vai resgatar sua conversa mais recente, indicada pelo arquivo editado como o descrito pelo passo anterior.
Seus diálogos atuais podem ser consultados também através do app Gerenciador de Arquivos – em nosso exemplo, a palavra “hoje” foi inserida junto do nome do arquivo correspondente às mensagens do dia (ver passo anterior).

Mr Claytonet 20666 – O Vereador Digital CiberAtivista e Motociclista

Mr Claytonet 20666

Mr Claytonet 20666 – O Vereador Digital CiberAtivista e Motociclista
http;//mrclaytonet.vereador.site
Pelo progresso de nossa cidade chega de ser ultrapassado por outras cidades mineiras em desenvolvimento, chega de atraso. Sou Barbacenense a vida toda e nunca vejo nossa cidade progredir ta na hora de ter alguem que realmente não tem medo de lutar pelo progresso e o povo na camara municipal de Barbacena essa pessoa sou eu Mr Claytonet 20666 – O Vereador Digital CiberAtivista e Motociclista.
http://mrclaytonet.vereador.site
Assista este video:https://www.facebook.com/mrclaytonet/videos/1400996586582682/?hc_location=ufi

Porque escolhi o numero 20666?
Por causa do Route 66 MC 🙂

ADVOGADOS – ACESSO TRT / PJE – INSTRUÇÕES

ADVOGADOS – ACESSO TRT / PJE – INSTRUÇÕES

Orientações para ajustes nas configurações do Java e

Navegador Mozilla para acesso ao PJE.

 
Passos:
1º – Limpar os Temporários do Mozilla Firefox;
2º – Limpar os Temporários do Java;
3º – Bloquear as atualizações do Java;
4º – Bloquear as atualizações do Mozilla Firefox;
5º – Ativar o Plugin Java no Mozilla Firefox;
6º – Testar o Acesso ao Sistema.
 
 
Manual com as instruções passo-a-passo:
 

Configurando a rede na linha de comando no ubuntu e no debian

Rede Debian / Ubuntu

Configurar interfaces de rede na mão no ubuntu e debian

Configurando a rede na linha de comando no ubuntu e no debian

Esse tutorial eu vou explicar como você pode configurar a rede no ubuntu todos os sabores (K) (X) (E), e debian todos os sabores. Irei mostrar os principais arquivos de configuração e os principais comandos de rede.

Lembrando que no debian você deve substituir o comando sudo pelo su -c ‘comando dentro das aspas’ .

O linux a sua rede funciona no modo texto, diferente do Windows que é modo gráfico , e sua configuração fica dentro de arquivos texto, no qual você pode manipular esses arquivos de acordo com a sua finalidade, é importante para qualquer usuário de linux saber como se pode configurar uma rede em modo texto, pois pode existir situações que só vai existir o modo texto.

Primeiro vamos saber os principais Arquivos da rede.

Todos os principais arquivos de configuração do Linux fica dentro do diretório /etc .

O arquivo resolv.conf , esse arquivo fica o endereço de IP do seu servidor de DNS .É bom se ter um bom servidor de DNS pois quando você usa um servidor ruim sua rede pode ficar Lenta , você pode encontrar no site do abusar alguns endereços de servidores http://www.abusar.org/dns.html . No meu caso estou usando um servidor de DNS local na minha rede.

/etc/resolv.conf seu conteúdo nameserver 192.168.254.40

O arquivo hosts , fica a informação do nome da sua máquina e você pode colocar um nome de uma máquina dentro da sua rede que você pode criar um apelido para ela , e acessar ela no seu navegado.

/etc/hosts

Conteúdo

127.0.0.1 localhost
127.0.1.1 x.com julio-not
192.168.254.40 x.com http://www.x.com

# The following lines are desirable for IPv6 capable hosts
::1 ip6-localhost ip6-loopback
fe00::0 ip6-localnet
ff00::0 ip6-mcastprefix
ff02::1 ip6-allnodes
ff02::2 ip6-allrouters
ff02::3 ip6-allhosts

O arquivo interfaces fica dentro do diretório /etc/network, esse arquivo armazena a configuração das suas interfaces de rede, nele você manipula a forma que sua rede se comporta , você pode escolher em deixar sua interface como dhcp ou como ip stático , e também pode criar ip alias . “IP alias é uma apelido que você pode dar a sua interface de rede na qual você pode atribuir outros endereços de rede, você pode criar quantos ip alias desejar”.

/etc/network/interfaces

O conteúdo do meu arquivo.

auto lo
iface lo inet loopback
address 127.0.0.1
netmask 255.0.0.0

iface eth0 inet static
address 192.168.254.55
net 192.168.254.0
netmask 255.255.255.0
gateway 192.168.254.254

Os principais comandos de rede são:

ifconfig , ifup, ifdown, route, iwconfig , dhclient.

Usando o dhclient para pegar ip por dhcp.

sudo dhclient eth0

Atribuindo um endereço de ip a uma interface de rede usando ifconfig .

sudo ifconfig eth0 192.168.254.50 netmask 255.255.255.0

Atribuindo um ip alias a uma interface de rede usando ifconfig, no lugar do 1 você pode colocar qualquer nome ou numero.

sudo ifconfig eth0:1 192.168.0.30 netmask 255.255.255.0

Listando as interfaces existentes usando ifconfig .

sudo ifconfig

Derrubando uma interface usando ifconfig.

sudo ifconfig eth0 down .

levantando uma interface usando ifconfig.

sudo ifconfig eth0 up .

Agora usando o ifup e ifdown.

Derrubar todas as interfaces e seus endereços de ip.

sudo ifdown -a

Levantando todas as redes de acordo com os dados do arquivo /etc/network/interfaces

sudo ifup -a .

Agora usando o comando route. O comando route define a rota ou a interface padrão da sua placa de rede.

Para saber as rotas existentes na sua maquina use esse comando.

netstat -r

Atribuindo o gateway padrão da sua rede usando o comando route .

sudo route add default gw 192.168.254.254

Atribuindo uma interface como padrão.

sudo route add default ppp0

Agora vamos configurar a nossa rede usando o arquivo /etc/network/interfaces

Configurando a rede como DHCP padrão na interface eth0 .

sudo nano /etc/network/interfaces

coloque

auto eth0
iface eth0 inet dhcp

Configurando a interface eth0 com ip estático.

sudo nano /etc/network/interfaces

#coloque de acordo com sua rede.
auto eth0
iface eth0 inet static
address 192.168.254.55
net 192.168.254.0
netmask 255.255.255.0
gateway 192.168.254.254

Configurando sua rede como ip alias estático .

sudo nano /etc/network/interfaces

#coloque de acordo com sua rede.
auto eth0:1
iface eth0:1 inet static
address 192.168.0.55
net 192.168.0.0
netmask 255.255.255.0
gateway 192.168.254.254

Depois de configurar o arquivo derrube as interfaces.

sudo ifdown -a

Depois levante .

sudo ifup -a

Para reniciar a sua configuração de rede existe esse comando.

sudo /etc/init.d/networking restart

CONECTIVIDADE SOCIAL ICP E CMT – CAIXA

CONECTIVIDADE SOCIAL ICP E CMT – CAIXA

 
O site da Caixa apresenta problemas no acesso às telas de que dependem de Certificado Digital.
 
Para solucionar o problema é necessário ter o Java instalado e ajustar as configurações da Internet, adicionando aos sites confiáveis os endereços a seguir.
 
Passos:
  • Ferramentas;
  • Opções de Internet;
  • Guia Segurança;
  • Clique no botão Sites Confiáveis;
  • Clique no botão sites;
Será apresentada a tela a abaixo, onde nesta deve-se:
  • Desmarcar a caixa “Exigir Verificação….”
  • Adicionar os sites conforme tela exemplo;
  • Confirmar em todas as Janela.
Depois dos passos acima é só testar o acesso;
Em alguns casos é necessário também redefinir as configurações do Internet Explorer em:
  • Ferramentas;
  • Opções de Internet;
  • Guia Avançadas;
  • Clique no botão Restaurar Configurações Avançadas;
  • Clique no Redefinir;
  • Confirmar todas as janelas;
  • Fechar o Navegador e abrir novamente.
Fonte: Informações passadas através do 0800 do Suporte da Caixa.

=========================================================

Caso não funcionem os procedimentos acima tente usar os sites abaixo para acesso a Conectividade:
 

Erro 429: Envio RE arquivo SEFIP pelo Conectividade Social

Erro :429 – ActiveX componente can’t create object

Erro.JPG

Solução:
 

Bom dia, eu trabalho com manutenção de pc’s e presto serviço pra vários escritórios de contabilidade e sempre me deparei com esse mesmo problema ao trocar o Windows XP pelo Windows 7, depois de muito quebrar a cabeça e revirar a internet, descobri a melhor maneira de consertar esse problema. Lembrando que li muita ajuda informando que depois de alguns ajustes, seria necessário desinstalar e reinstalar os referidos programas e/ou reiniciar o computador. Fiz em varias máquinas sem a necessidade de reinstalar ou reiniciar, vamos a solução:

Se já encontrou erro ao rodar o programa, resolve assim: clique com o botão DIREITO do mouse no ícone da Conectividade Social que está na área de trabalho, vá em propriedades, depois compatibilidade e marque a caixa “executar este programa como administrador”, dê ok e pronto.

 

SOLUÇÃO (erro 429…): o programa “conectividade” precisa está fechado no procedimento abaixo

 

* copie o arquivo “cnsselo.dll” que se encontra na pasta c:/arquivos de programas/caixa/SEFIP ou c:/ programs files/caixa/SEFIP

 

* cole o arquivo “cnsselo.dll” na pasta c:\windows\system32 e tambem cole na pasta “CNS” – onde está instalado a conectividade social, que fica em c:/arquivos de programas/caixa/CNS/ ou c:/ programs files/caixa/CNS/

 

*ainda dentro da pasta “CNS” clique no botão DIREITO do mouse e execute como administrador o seguinte arquivo: “CNSComReg” e boa sorte.

6 coisas que alguém com SSD NÃO deve fazer

Você possivelmente já leu algo sobre os drives de estado sólido, não é mesmo? Sob a sigla SSD (Solid State Drive, em inglês), estes equipamentos surgiram como uma opção mais segura e veloz para os discos rígidos comuns — que contam com partes mecânicas e apresentam mais problemas relacionados à movimentação — e têm ganhado bastante espaço no mercado nestes últimos anos.

Mas, antes de instalar e configurar o SSD, é preciso saber que existem diferenças entre eles e os HDs com os quais já estamos acostumados. Por causa disso, algumas ações não devem ser tomadas com os aparelhos — para aumentar o tempo de vida útil deles e evitar que exista qualquer problema. Ficou curioso? Então confira agora mesmo o que você não deve fazer com um SSD em seu PC.

1. Desfragmentação

Uma das principais diferenças entre os HDs e o SSDs está no modo como os dados são gravados. Enquanto os discos rígidos utilizam pequenas estruturas magnéticas para informar o valor de cada informação, nos drives sólidos isso acontece de uma maneira eletrônica — conseguida graças à energia elétrica armazenada ali. E é por causa disso que desfragmentar um SSD pode ser uma péssima ideia.

Esse método de gravação faz com que os SSDs tenham um número de gravações mais limitado do que acontece nos discos rígidos. Desfragmentar um disco significa realocar arquivos e fazer com que a porção de armazenamento dele seja otimizada — o que resulta em um grande consumo de espaço durante o período da desfragmentação. Ou seja: o processo pode reduzir a vida útil dos equipamentos.

Não bastasse isso, também vale dizer que a desfragmentação é um processo inútil nos computadores com SSD. Isso porque ela foi criada para reagrupar dados espalhados em discos rígidos, para facilitar a leitura em equipamentos desse tipo. Como o SSD não utiliza leitores mecânicos — e sim processos elétricos —, a informação pode ser acessada de qualquer lugar com a mesma rapidez.

2. Limpar áreas vazias

Por muito tempo, consumidores costumaram utilizar ferramentas para “apagar áreas vazias” do disco rígido. Isso permitia que as unidades ganhassem um pouco mais de espaço e ainda evitava que os dados pudessem ser recuperados após a exclusão de arquivos. Mas os sistemas operacionais mais recentes — Windows 7 e superiores, Mac OS X 10.6 e superiores ou Linux baseado em Kernels lançados depois de 2012 — são habilitados com o TRIM.

Isto é uma “notificação do sistema para o SSD para informar que determinados arquivos foram removidos e que os blocos, onde eles estavam armazenados, devem passar por um processo de limpeza para que novos dados sejam gravados”. Esta função faz com que os arquivos deletados do computador sejam realmente excluídos — não ficando disponíveis para restauração com o uso de aplicativos especializados.

Isso tudo significa que “limpar áreas vazias” em um sistema moderno e que utilize SSDs acaba sendo um esforço completamente desnecessário. Além de gastar um tempo sem fins realmente efetivos, o processo ainda pode desgastar o SSD com uma sobrecarga de informações — que também pode causar uma redução na vida útil do dispositivo.

Verifique se o TRIM está ativo

É possível que o seu computador não possua o TRIM ativado por padrão. Para verificar isso você pode usar softwares como o TrimCheck ou então seguir alguns rápidos passos:

  • 1) Pressione as teclas Window + R e digite na caixa de diálogo “cmd.exe”;
  • 2) No prompt de comando, digite o seguinte: “fsutil behavior query DisableDeleteNotify”
  • 3) Se o sistema retornar o valor “0”, então você está com o TRIM ativado;
  • 4) Caso apareça o valor “1”, você deve digitar o seguinte para habilitar o TRIM: “fsutil behavior set disabledeletenotify 0”

3. Formatação completa

Assim como no caso anterior, aqui trazemos um exemplo de processo desnecessário para os computadores com SSD. Formatar completamente um drive de estado sólido não é uma tarefa muito interessante e isso se aplica por várias razões. Primeiro: apagar arquivos com o modo TRIM faz com que eles sejam realmente excluídos definitivamente. Segundo: isso não fará com que seu computador fique mais veloz. Sem falar que a ação ainda joga fora alguns ciclos de reescritas do dispositivo.

4. Usar Windows XP ou Vista

O Windows XP e o Windows Vista são sistemas operacionais que não possuem suporte para o TRIM. Isso significa que arquivos apagados permanecem disponíveis para a recuperação por meio de aplicativos especializados. Mais do que isso, também existe o fato de que sistemas sem TRIM acabam gerando bastante lentidão após algum tempo de uso.

Em resumo: com o passar do tempo, seu SSD passará a demorar muito para conseguir terminar a escrita de um arquivo. É claro que não é o fim do mundo usar esses outros sistemas operacionais, mas é importante usar alguns softwares de otimização criados pelas próprias fabricantes de drives — evitando problemas relacionados às já mencionadas sobreescritas.

Atenção: não é interessante usar ferramentas alternativas de manutenção, pois isso pode prejudicar ainda mais o desempenho — opte sempre pelas oficiais das fabricantes. O drive de estado sólido sabe gerenciar os dados e cuidar de sua Garbage Collection — um sistema automatizado do gerenciamento da memória disponível — , sendo que a interação do usuário apenas vai prejudicar as configurações determinadas no firmware do componente.

5. Usar toda a capacidade

Essa lição já foi ensinada pelos HDs comuns em outros momentos — quem usa os PCs há mais tempo deve se lembrar do quanto era difícil reservar espaço em computadores que tinham menos de 1 GB para o armazenamento —, mas precisa ser relembrada. É essencial que você nunca preencha toda a capacidade do seu SSD, sempre deixando um espaço de sobra na unidade.

Isso se deve ao fato de que novos arquivos e carregamentos exigem espaço livre para que funcionem corretamente. Logo, sem ele o seu sistema ficará muito lento e apresentando falhas constantes. O site AnandTech afirma que pelo menos 25% do espaço total devem ser mantidos livres para evitar problemas — algo parecido com o que era indicado para os HDs comuns.

6. Realizar escritas constantes

Essa dica é bem importante, mas deve ser melhor aproveitada somente por quem utiliza SSDs em conjunto com HDs comuns. Um dos métodos mais eficientes de fazer com que a vida útil dos drives de estado sólido seja prolongada está em evitar as escritas nele. Ou seja, fazer com que menos arquivos sejam gravados nos drives e os mantendo como unidades de leitura.

As recomendações mais comuns são de que o SSD deve ser usado para a gravação dos arquivos de sistema operacional, softwares, jogos e outros dados que precisam ser acessados frequentemente e com rapidez. Em resumo: grave os arquivos que precisam ser acessados para que a sua utilização se torne mais confortável.

Ao mesmo tempo, não é indicado armazenar arquivos de mídia nos SSDs — uma vez que o espaço seria desperdiçado e o carregamento deles pode ser feito a partir de um HD sem qualquer problema ou lentidão. Ou seja… Nada de salvar o seu filme favorito em 4K nos drives de estado sólido.

Evite arquivos de paginação

Quando a sua memória RAM está toda ocupada, o Windows utiliza um setor do seu HD para fazer com que mais aplicativos e processos possam ser carregados ou mantidos. O problema é que se estivermos falando sobre um computador com SSD, esse setor de memória será sobreescrito com muita frequência e causará danos à estabilidade e à vida útil do equipamento.

Ou seja… Desative a opção de paginação nas configurações do sistema operacional — ou use um disco rígido comum para isso. Se você só possui um SSD, recomenda-se que sua máquina tenha pelo menos 8 GB de RAM para que o sistema não exija a paginação da memória virtual.

…..

Você conhecia essas recomendações? É claro que, se você optar por não segui-las, conseguirá usar o seu computador normalmente — afinal de contas, ele não vai explodir por causa disso. Mesmo assim, vale a pena ficar ligado em tudo isso para fazer com que os seus equipamentos possam ser usados por mais tempo e sem apresentar falhas.

FONTE(S)

  • ANANDTECH
  • HOW TO GEEK
  • LIFE HACKER

Qual a melhor alternativa para o fim do emissor de NFe gratuito da SEFAZ?

Logo SDCXA Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo informou que irá descontinuar seus sistemas gratuitos para a emissão de Nota Fiscal Eletrônica (NF-e) e do Conhecimento de Transporte (CT-e). Em dia 1º de Janeiro de 2017, o download do emissor gratuito já não será mais oferecido. A partir desta data, também não serão feitas novas atualizações, o que dificulta a vida de quem já baixou e utiliza o aplicativo.

O jeito é procurar outra alternativa para continuar emitindo NF-e, sem deixar que a sua empresa seja prejudicada ou multada. Felizmente, o objetivo deste post é ajudá-lo com isso. Continue lendo!

Por que o emissor da SEFAZ está com os dias contados?

Uma pesquisa feita pela própria SEFAZ apontou que grande parte dos empresários migrou para outros emissores, mais completos e integrados com outros softwares, e este foi um dos motivos pelos quais a Secretaria optou por descontinuar o sistema.

Ainda assim, a notícia pegou muita gente de surpresa e causou burburinho entre os usuários do emissor de NFe gratuito. Isso porque a emissão de notas fiscais é obrigatória para as empresas (exceto MEI em alguns Estados brasileiros) e o trabalho não pode ser interrompido.

Qual a melhor alternativa para emitir NFe?

A SEFAZ recomendou que seus usuários comecem a procurar outras soluções desde já. Isso porque mesmo quem já tem o sistema instalado em seu computador terá o uso prejudicado caso haja alguma alteração nas regras de validação da NF-e e CT-e a partir de 1º de Janeiro de 2017.

Portanto, a melhor alternativa é buscar outro emissor o quanto antes. Tomar essa iniciativa agora vai facilitar a sua rotina e garantir que você não deixe de cumprir a legislação vigente, algo que pode comprometer até mesmo o orçamento da sua empresa. Uma dica é procurar o seu escritório de contabilidade para indicações de outro sistema para emissão de NF-e.

Depois de tomar a sua decisão, será preciso seguir alguns passos:

1 – Credenciar o seu novo emissor junto à SEFAZ do seu Estado.

Geralmente, este cadastro é bem simples e pode ser feito através do site da Secretaria da Fazenda. Seu contador poderá te orientar melhor sobre este tema.

2 – Conferir a validade do seu Certificado Digital.

O Certificado Digital é essencial para emissão de notas fiscais eletrônicas e você precisará migrá-lo para seu novo sistema. Caso ainda não tenha ou precise renovar este documento, procure uma Certificadora autorizada pela ICP (Autoridade de Chaves Públicas).

3 – Cadastrar as informações da sua empresa no novo emissor.

Para começar a emitir suas notas fiscais eletrônicas com outro software, você precisará preencher as informações da sua empresa, como CNPJ, Inscrição Estadual, Regime Tributário e afins. Isso pode variar de acordo com o emissor, mas a regra geral é a mesma.

Emissor de NF-e da SDCX

A SDCX oferece uma alternativa fácil de usar e de entender para gerar NF-e, NFS-e e NFC-e. O software, chamado SDCX NF-e, não exige instalação no computador do usuário (é online e pode ser acessado de qualquer lugar, através da Internet) e não possui limite para emissão de notas. Em média 5x mais rápido que o emissor gratuito da SEFAZ, o SDCX NF-e ainda faz o cálculo automático de valores e impostos, oferece backup das NFe emitidas por até 5 anos e tem suporte.

Temos ainda todos os Sistemas Alterdata Software

logo alterdata
Parceiros

Quer saber mais sobre o SDCX NF-e? Ligue para 32 98808-4792 ou acesse www.sdcx.com.br e conheça nossos sistemas!