Excel não atualiza as formulas automaticamente

Excel não atualiza as formulas automaticamente – Resolvido

Essa semana eu me deparei com um problema em uma planilha do Excel que eu recebi para revisar. O problema consistia justamente uma fórmula PROCV aplicada para buscar em uma pasta de trabalho paralela um determinado valor e multiplicar por outro. Algo aparentemente simples para quem já lida com essa fórmula. No entanto, comecei a ficar intrigado ao observar que as fórmulas que eu arrastava não estava calculado apenas replicando o valor da célula anterior, conforme podem observar abaixo:

 

Observem que se trata da mesma fórmula e só muda a referência da coluna B.
Após pesquisar na internet, descobri que a solução para esse “problema” é realmente muito simples, basta apenas ativar o cálculo automático para fórmulas, conforme segue passo a passo abaixo para Excel 2007 ou 2010.
 
 Clique na guia Fórmula e próximo ao canto superior direito localize os campos abaixo:
Clique em “Opção de Cálculo” e escolha “Automático”. Pronto resolvido o nosso “problema”.
Acreditem que cheguei até pensar que se tratava de um bug do Excel.

Como trocar a porta padrão 3389 da Áre de Trabalho Remota / Terminal Services

 Visão Geral

Nesse tutorial veremos como trocar a porta padrão do Terminal services.

1. Click no Menu Iniciar >> Executar

2. Digite Regedit

3. Localize a chave:
HKEY_LOCAL_MACHINE\System\CurrentControlSet\Control\TerminalServer\WinStations\RDP-Tcp\PortNumber

clip_image002

4. No menu Editar, clique em Modificar >> Decimal e digite o número da nova porta ( no nosso exemplo a nova porta será 3390) em seguida, clique em OK

clip_image004

5. Feche o editor do registro

Criando pendrive bootável do windows com prompt de comando (CMD)

Tenho visto que muitos pessoas tem procurado um tutorial bem explicativo a respeito de criação de um pendrive bootável do Windows, seja ele XP, 7, 8 ou 8.1. Para criar o pendrive bootável do Windows, no meu caso utilizarei uma ISO do Windows 7 contendo todas as versão 32 e 64Bits (A.I.O) ou um DVD de Instalação. Dependendo do Windows alguns comando no prompt de comando (CMD) podem mudar.

Passo a Passo:
1. Plug seu pendrive na porta USB e mova todo o conteúdo para um local seguro no seu HD, pois todo conteúdo será APAGADO!
2. Abra o prompt de comando (CMD) como ADMINISTRADOR, para isso:

    • No Windows 7: Clique no menu iniciar>Todos os Programas>Acessórios e clique com o botão direito do mouse em prompt de comando (CMD), em seguida em “Executar como Administrador”.
    • No Windows 8, 8.1 e 10: No caso do 8 e 8.1 utilize o pesquisar (Winkey + Q). para executar como administrador clique com botão direito.
    • Windows XP:
    não necessitar executar como administrador.

3. Com o Prompt aberto digite o comando DISKPARTe pressionando a tecla <Enter> o UAC (User Account Control) pedirá permissão para executar o Clicando em Sim, abrirá outra tela com o Prompt do DISKPARTcomo mostro nas duas imagens a seguir.

prompt_cmd
Tela do Prompt de Comando (CMD)
tela_do_diskpart
Tela do DiskPart

4. Na tela do prompt do DISKPART, digite LIST DISK  e depois tecle <Enter>.  Aparecerão as informações referentes aos discos conectados ao computador, conforme mostrado abaixo.

tela_do_diskpart_list-disk

5. A seguir,  digitaremos o comando SELECT DISK Nº, onde Nº será o número do disco referente ao Pen Drive, no meu caso é o número 1. Tome cuidado para não digitar o número correspondente a outro disco.

6. Agora que a unidade USB está selecionada, os próximos comandos irão preparar o Pen Drive para receber os arquivos de instalação Windows.

7. Digite CLEAN e depois tecle <Enter>. Este comando limpará tudo o que tiver dentro do Pen Drive.

8. Após o comando de limpeza, criaremos a partição primária no Pen Drive com o comando CREATE PARTITION PRIMARY. Lembrando que sempre após digitar um comando, pressionar tecla <Enter>, para executá-lo.

9. A seguir usaremos o comando FORMAT FS=FAT32 QUICK, que formatará o Pen Drive para o formato Fat32 e a0 usar a opção Quick (não é o fundamental), fará o processo de formatação de forma rápida.

10. Terminada a formatação digite ACTIVE e depois tecle <Enter>, para ativar a partição.

11. Digite EXIT  e tecle <Enter> para sair do Prompt do DISKPART – pode estar fechando a janela do Prompt de Comando também.

12. Terminado os processos acima, com a mídia de DVD do Windows na leitora, copie todos os arquivos e pastas do DVD  para a unidade referente ao Pen Drive. Caso esteja utilizando uma ISO extraia com o Winrar e copie todos os arquivos para dentro do Pen Drive.

13. Pronto! Agora o Pen Drive já está pronto para ser utilizado como Boot

Mr Claytonet 20666 – O Vereador Digital CiberAtivista e Motociclista

Mr Claytonet 20666

Mr Claytonet 20666 – O Vereador Digital CiberAtivista e Motociclista
http;//mrclaytonet.vereador.site
Pelo progresso de nossa cidade chega de ser ultrapassado por outras cidades mineiras em desenvolvimento, chega de atraso. Sou Barbacenense a vida toda e nunca vejo nossa cidade progredir ta na hora de ter alguem que realmente não tem medo de lutar pelo progresso e o povo na camara municipal de Barbacena essa pessoa sou eu Mr Claytonet 20666 – O Vereador Digital CiberAtivista e Motociclista.
http://mrclaytonet.vereador.site
Assista este video:https://www.facebook.com/mrclaytonet/videos/1400996586582682/?hc_location=ufi

Porque escolhi o numero 20666?
Por causa do Route 66 MC 🙂

ADVOGADOS – ACESSO TRT / PJE – INSTRUÇÕES

ADVOGADOS – ACESSO TRT / PJE – INSTRUÇÕES

Orientações para ajustes nas configurações do Java e

Navegador Mozilla para acesso ao PJE.

 
Passos:
1º – Limpar os Temporários do Mozilla Firefox;
2º – Limpar os Temporários do Java;
3º – Bloquear as atualizações do Java;
4º – Bloquear as atualizações do Mozilla Firefox;
5º – Ativar o Plugin Java no Mozilla Firefox;
6º – Testar o Acesso ao Sistema.
 
 
Manual com as instruções passo-a-passo:
 

CONECTIVIDADE SOCIAL ICP E CMT – CAIXA

CONECTIVIDADE SOCIAL ICP E CMT – CAIXA

 
O site da Caixa apresenta problemas no acesso às telas de que dependem de Certificado Digital.
 
Para solucionar o problema é necessário ter o Java instalado e ajustar as configurações da Internet, adicionando aos sites confiáveis os endereços a seguir.
 
Passos:
  • Ferramentas;
  • Opções de Internet;
  • Guia Segurança;
  • Clique no botão Sites Confiáveis;
  • Clique no botão sites;
Será apresentada a tela a abaixo, onde nesta deve-se:
  • Desmarcar a caixa “Exigir Verificação….”
  • Adicionar os sites conforme tela exemplo;
  • Confirmar em todas as Janela.
Depois dos passos acima é só testar o acesso;
Em alguns casos é necessário também redefinir as configurações do Internet Explorer em:
  • Ferramentas;
  • Opções de Internet;
  • Guia Avançadas;
  • Clique no botão Restaurar Configurações Avançadas;
  • Clique no Redefinir;
  • Confirmar todas as janelas;
  • Fechar o Navegador e abrir novamente.
Fonte: Informações passadas através do 0800 do Suporte da Caixa.

=========================================================

Caso não funcionem os procedimentos acima tente usar os sites abaixo para acesso a Conectividade:
 

Erro 429: Envio RE arquivo SEFIP pelo Conectividade Social

Erro :429 – ActiveX componente can’t create object

Erro.JPG

Solução:
 

Bom dia, eu trabalho com manutenção de pc’s e presto serviço pra vários escritórios de contabilidade e sempre me deparei com esse mesmo problema ao trocar o Windows XP pelo Windows 7, depois de muito quebrar a cabeça e revirar a internet, descobri a melhor maneira de consertar esse problema. Lembrando que li muita ajuda informando que depois de alguns ajustes, seria necessário desinstalar e reinstalar os referidos programas e/ou reiniciar o computador. Fiz em varias máquinas sem a necessidade de reinstalar ou reiniciar, vamos a solução:

Se já encontrou erro ao rodar o programa, resolve assim: clique com o botão DIREITO do mouse no ícone da Conectividade Social que está na área de trabalho, vá em propriedades, depois compatibilidade e marque a caixa “executar este programa como administrador”, dê ok e pronto.

 

SOLUÇÃO (erro 429…): o programa “conectividade” precisa está fechado no procedimento abaixo

 

* copie o arquivo “cnsselo.dll” que se encontra na pasta c:/arquivos de programas/caixa/SEFIP ou c:/ programs files/caixa/SEFIP

 

* cole o arquivo “cnsselo.dll” na pasta c:\windows\system32 e tambem cole na pasta “CNS” – onde está instalado a conectividade social, que fica em c:/arquivos de programas/caixa/CNS/ ou c:/ programs files/caixa/CNS/

 

*ainda dentro da pasta “CNS” clique no botão DIREITO do mouse e execute como administrador o seguinte arquivo: “CNSComReg” e boa sorte.

6 coisas que alguém com SSD NÃO deve fazer

Você possivelmente já leu algo sobre os drives de estado sólido, não é mesmo? Sob a sigla SSD (Solid State Drive, em inglês), estes equipamentos surgiram como uma opção mais segura e veloz para os discos rígidos comuns — que contam com partes mecânicas e apresentam mais problemas relacionados à movimentação — e têm ganhado bastante espaço no mercado nestes últimos anos.

Mas, antes de instalar e configurar o SSD, é preciso saber que existem diferenças entre eles e os HDs com os quais já estamos acostumados. Por causa disso, algumas ações não devem ser tomadas com os aparelhos — para aumentar o tempo de vida útil deles e evitar que exista qualquer problema. Ficou curioso? Então confira agora mesmo o que você não deve fazer com um SSD em seu PC.

1. Desfragmentação

Uma das principais diferenças entre os HDs e o SSDs está no modo como os dados são gravados. Enquanto os discos rígidos utilizam pequenas estruturas magnéticas para informar o valor de cada informação, nos drives sólidos isso acontece de uma maneira eletrônica — conseguida graças à energia elétrica armazenada ali. E é por causa disso que desfragmentar um SSD pode ser uma péssima ideia.

Esse método de gravação faz com que os SSDs tenham um número de gravações mais limitado do que acontece nos discos rígidos. Desfragmentar um disco significa realocar arquivos e fazer com que a porção de armazenamento dele seja otimizada — o que resulta em um grande consumo de espaço durante o período da desfragmentação. Ou seja: o processo pode reduzir a vida útil dos equipamentos.

Não bastasse isso, também vale dizer que a desfragmentação é um processo inútil nos computadores com SSD. Isso porque ela foi criada para reagrupar dados espalhados em discos rígidos, para facilitar a leitura em equipamentos desse tipo. Como o SSD não utiliza leitores mecânicos — e sim processos elétricos —, a informação pode ser acessada de qualquer lugar com a mesma rapidez.

2. Limpar áreas vazias

Por muito tempo, consumidores costumaram utilizar ferramentas para “apagar áreas vazias” do disco rígido. Isso permitia que as unidades ganhassem um pouco mais de espaço e ainda evitava que os dados pudessem ser recuperados após a exclusão de arquivos. Mas os sistemas operacionais mais recentes — Windows 7 e superiores, Mac OS X 10.6 e superiores ou Linux baseado em Kernels lançados depois de 2012 — são habilitados com o TRIM.

Isto é uma “notificação do sistema para o SSD para informar que determinados arquivos foram removidos e que os blocos, onde eles estavam armazenados, devem passar por um processo de limpeza para que novos dados sejam gravados”. Esta função faz com que os arquivos deletados do computador sejam realmente excluídos — não ficando disponíveis para restauração com o uso de aplicativos especializados.

Isso tudo significa que “limpar áreas vazias” em um sistema moderno e que utilize SSDs acaba sendo um esforço completamente desnecessário. Além de gastar um tempo sem fins realmente efetivos, o processo ainda pode desgastar o SSD com uma sobrecarga de informações — que também pode causar uma redução na vida útil do dispositivo.

Verifique se o TRIM está ativo

É possível que o seu computador não possua o TRIM ativado por padrão. Para verificar isso você pode usar softwares como o TrimCheck ou então seguir alguns rápidos passos:

  • 1) Pressione as teclas Window + R e digite na caixa de diálogo “cmd.exe”;
  • 2) No prompt de comando, digite o seguinte: “fsutil behavior query DisableDeleteNotify”
  • 3) Se o sistema retornar o valor “0”, então você está com o TRIM ativado;
  • 4) Caso apareça o valor “1”, você deve digitar o seguinte para habilitar o TRIM: “fsutil behavior set disabledeletenotify 0”

3. Formatação completa

Assim como no caso anterior, aqui trazemos um exemplo de processo desnecessário para os computadores com SSD. Formatar completamente um drive de estado sólido não é uma tarefa muito interessante e isso se aplica por várias razões. Primeiro: apagar arquivos com o modo TRIM faz com que eles sejam realmente excluídos definitivamente. Segundo: isso não fará com que seu computador fique mais veloz. Sem falar que a ação ainda joga fora alguns ciclos de reescritas do dispositivo.

4. Usar Windows XP ou Vista

O Windows XP e o Windows Vista são sistemas operacionais que não possuem suporte para o TRIM. Isso significa que arquivos apagados permanecem disponíveis para a recuperação por meio de aplicativos especializados. Mais do que isso, também existe o fato de que sistemas sem TRIM acabam gerando bastante lentidão após algum tempo de uso.

Em resumo: com o passar do tempo, seu SSD passará a demorar muito para conseguir terminar a escrita de um arquivo. É claro que não é o fim do mundo usar esses outros sistemas operacionais, mas é importante usar alguns softwares de otimização criados pelas próprias fabricantes de drives — evitando problemas relacionados às já mencionadas sobreescritas.

Atenção: não é interessante usar ferramentas alternativas de manutenção, pois isso pode prejudicar ainda mais o desempenho — opte sempre pelas oficiais das fabricantes. O drive de estado sólido sabe gerenciar os dados e cuidar de sua Garbage Collection — um sistema automatizado do gerenciamento da memória disponível — , sendo que a interação do usuário apenas vai prejudicar as configurações determinadas no firmware do componente.

5. Usar toda a capacidade

Essa lição já foi ensinada pelos HDs comuns em outros momentos — quem usa os PCs há mais tempo deve se lembrar do quanto era difícil reservar espaço em computadores que tinham menos de 1 GB para o armazenamento —, mas precisa ser relembrada. É essencial que você nunca preencha toda a capacidade do seu SSD, sempre deixando um espaço de sobra na unidade.

Isso se deve ao fato de que novos arquivos e carregamentos exigem espaço livre para que funcionem corretamente. Logo, sem ele o seu sistema ficará muito lento e apresentando falhas constantes. O site AnandTech afirma que pelo menos 25% do espaço total devem ser mantidos livres para evitar problemas — algo parecido com o que era indicado para os HDs comuns.

6. Realizar escritas constantes

Essa dica é bem importante, mas deve ser melhor aproveitada somente por quem utiliza SSDs em conjunto com HDs comuns. Um dos métodos mais eficientes de fazer com que a vida útil dos drives de estado sólido seja prolongada está em evitar as escritas nele. Ou seja, fazer com que menos arquivos sejam gravados nos drives e os mantendo como unidades de leitura.

As recomendações mais comuns são de que o SSD deve ser usado para a gravação dos arquivos de sistema operacional, softwares, jogos e outros dados que precisam ser acessados frequentemente e com rapidez. Em resumo: grave os arquivos que precisam ser acessados para que a sua utilização se torne mais confortável.

Ao mesmo tempo, não é indicado armazenar arquivos de mídia nos SSDs — uma vez que o espaço seria desperdiçado e o carregamento deles pode ser feito a partir de um HD sem qualquer problema ou lentidão. Ou seja… Nada de salvar o seu filme favorito em 4K nos drives de estado sólido.

Evite arquivos de paginação

Quando a sua memória RAM está toda ocupada, o Windows utiliza um setor do seu HD para fazer com que mais aplicativos e processos possam ser carregados ou mantidos. O problema é que se estivermos falando sobre um computador com SSD, esse setor de memória será sobreescrito com muita frequência e causará danos à estabilidade e à vida útil do equipamento.

Ou seja… Desative a opção de paginação nas configurações do sistema operacional — ou use um disco rígido comum para isso. Se você só possui um SSD, recomenda-se que sua máquina tenha pelo menos 8 GB de RAM para que o sistema não exija a paginação da memória virtual.

…..

Você conhecia essas recomendações? É claro que, se você optar por não segui-las, conseguirá usar o seu computador normalmente — afinal de contas, ele não vai explodir por causa disso. Mesmo assim, vale a pena ficar ligado em tudo isso para fazer com que os seus equipamentos possam ser usados por mais tempo e sem apresentar falhas.

FONTE(S)

  • ANANDTECH
  • HOW TO GEEK
  • LIFE HACKER

Qual a melhor alternativa para o fim do emissor de NFe gratuito da SEFAZ?

Logo SDCXA Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo informou que irá descontinuar seus sistemas gratuitos para a emissão de Nota Fiscal Eletrônica (NF-e) e do Conhecimento de Transporte (CT-e). Em dia 1º de Janeiro de 2017, o download do emissor gratuito já não será mais oferecido. A partir desta data, também não serão feitas novas atualizações, o que dificulta a vida de quem já baixou e utiliza o aplicativo.

O jeito é procurar outra alternativa para continuar emitindo NF-e, sem deixar que a sua empresa seja prejudicada ou multada. Felizmente, o objetivo deste post é ajudá-lo com isso. Continue lendo!

Por que o emissor da SEFAZ está com os dias contados?

Uma pesquisa feita pela própria SEFAZ apontou que grande parte dos empresários migrou para outros emissores, mais completos e integrados com outros softwares, e este foi um dos motivos pelos quais a Secretaria optou por descontinuar o sistema.

Ainda assim, a notícia pegou muita gente de surpresa e causou burburinho entre os usuários do emissor de NFe gratuito. Isso porque a emissão de notas fiscais é obrigatória para as empresas (exceto MEI em alguns Estados brasileiros) e o trabalho não pode ser interrompido.

Qual a melhor alternativa para emitir NFe?

A SEFAZ recomendou que seus usuários comecem a procurar outras soluções desde já. Isso porque mesmo quem já tem o sistema instalado em seu computador terá o uso prejudicado caso haja alguma alteração nas regras de validação da NF-e e CT-e a partir de 1º de Janeiro de 2017.

Portanto, a melhor alternativa é buscar outro emissor o quanto antes. Tomar essa iniciativa agora vai facilitar a sua rotina e garantir que você não deixe de cumprir a legislação vigente, algo que pode comprometer até mesmo o orçamento da sua empresa. Uma dica é procurar o seu escritório de contabilidade para indicações de outro sistema para emissão de NF-e.

Depois de tomar a sua decisão, será preciso seguir alguns passos:

1 – Credenciar o seu novo emissor junto à SEFAZ do seu Estado.

Geralmente, este cadastro é bem simples e pode ser feito através do site da Secretaria da Fazenda. Seu contador poderá te orientar melhor sobre este tema.

2 – Conferir a validade do seu Certificado Digital.

O Certificado Digital é essencial para emissão de notas fiscais eletrônicas e você precisará migrá-lo para seu novo sistema. Caso ainda não tenha ou precise renovar este documento, procure uma Certificadora autorizada pela ICP (Autoridade de Chaves Públicas).

3 – Cadastrar as informações da sua empresa no novo emissor.

Para começar a emitir suas notas fiscais eletrônicas com outro software, você precisará preencher as informações da sua empresa, como CNPJ, Inscrição Estadual, Regime Tributário e afins. Isso pode variar de acordo com o emissor, mas a regra geral é a mesma.

Emissor de NF-e da SDCX

A SDCX oferece uma alternativa fácil de usar e de entender para gerar NF-e, NFS-e e NFC-e. O software, chamado SDCX NF-e, não exige instalação no computador do usuário (é online e pode ser acessado de qualquer lugar, através da Internet) e não possui limite para emissão de notas. Em média 5x mais rápido que o emissor gratuito da SEFAZ, o SDCX NF-e ainda faz o cálculo automático de valores e impostos, oferece backup das NFe emitidas por até 5 anos e tem suporte.

Temos ainda todos os Sistemas Alterdata Software

logo alterdata
Parceiros

Quer saber mais sobre o SDCX NF-e? Ligue para 32 98808-4792 ou acesse www.sdcx.com.br e conheça nossos sistemas!

Como instalar ou mover aplicativos para o cartão SD no Android 2.2 Froyo

 O sistema operacional Android, até a versão 2.1 (Eclair), permitia apenas a instalação de novos aplicativos diretamente na memória interna do aparelho, o que se tornou um ponto negativo nos telefones com pouco espaço de armazenamento (além de afetar o processamento geral). Se você tem um Android com 160Mb de memória interna sabe do que estamos falando.
Eis então que a Google lançou a versão do 2.2 do Android (Froyo), trazendo uma das funcionalidades mais esperadas – a possibilidade de instalar aplicativos diretamente no cartão SD.
Contudo, muitos usuários ainda têm dúvidas de como usar esse recurso. Primeiro porque não é uma funcionalidade simples de se acessar e, segundo, por essa opção não funcionar para todos os apps, já que alguns deles não possuem, em sua configuração nativa, a possibilidade de rodar pelo cartão SD.
Para seus aplicativos já instalados no Android, existe a opção de movê-los manualmente para o cartão SD. Entretanto, é preciso ficar atento a aplicativos que não funcionam bem no cartão de memória, como os que possuem widget’s, ou os que rodam em background (Gmail, Facebook, Twitter, entre outros). Esses aplicativos, quando movidos ou instalados no cartão SD, podem demorar um pouco mais na sua inicialização, tendo visto que é preciso um tempo para o sistema ler o cartão de memória.
Para isso, o TechTudo trouxe pra você a solução: uma forma de forçar a instalação de qualquer app no cartão SD, de maneira segura. Siga os passos abaixo:
Aprendendo a mover seus apps
Passo 1. Clique no Menu de seu smartphone e acesse “Configurações”. Em seguida, clique em “Aplicações”, depois em “Gerenciar aplicações”. Escolha o aplicativo que deseja mover e clique em “Mover para cartão SD”. Pronto o aplicativo será movido;
Passo 2. Caso queira mover o aplicativo de volta para o telefone, repita o passo 1, mas, no lugar de clicar em “Mover para cartão SD”, clique em “Mover para telefone”;
Aprendendo a instalar seus aplicativos diretamente no cartão SD
Passo 3. Alguns apps não possuem a opção “Mover para SD” disponível. Para resolver este problema, instale no seu computador o Android SDK . Clique na opção “Recommended”, faça o download e depois instale o SDK. Caso seja necessário instalar o JAVA SE, faça-o;
Passo 4. No seu smartphone, clique no Menu e acesse “Configurações”. Em seguida, clique em “Aplicações”, depois em “Desenvolvimento”. Para ativar o modo depuração USB, marque a opção “Depuração USB” e confirme, clicando em “OK”;
Passo 5. No computador, após instalado o arquivo, localize o caminho de instalação, que normalmente é no diretório C:\Program Files\Android\android-sdk
Passo 6. Após localizar o caminho, clique com o botão direito do mouse sobre a pasta “platform-tools”. Pressione a tecla “Shift” e clique em “Abrir janela de comando aqui”. Ou, de uma forma mais simples, clique no “Menu Iniciar”, depois em “Executar”. Digite cmd e clique “Enter”. Em seguida, digite:
CD C:\Program Files\Android\android-sdk\platform-tools
…e clique em “Enter”;
Passo 7. A janela de prompt de comando do Windows iniciará na pasta “Platform-tools”. Em seguida, digite abd.exe e clique “Enter”;
Passo 8. Na mesma tela de comando, digite adb Shell e clique “Enter”;
Ativando instalação automatica no cartão (Foto: Divulgação)Ativando instalação automática no cartãoPasso 9. Para dar continuidade ao processo e habilitar a instalação de novos aplicativos no cartão de memória, abaixo de “daemon started successfully”, digite:
pm setInstallLocation 2
…e clique novamente em ”Enter”;
Passo 10. Pronto! Todos os novos aplicativos que você instalar no Android serão armazenados no cartão SD. Para mover os aplicativos anteriormente instalados, repita o passo 1. Caso esta opção continue indisponível, é preciso desinstalar, e depois instalá-lo novamente. O aplicativo automaticamente será instalado no cartão SD.
Desinstalando a funcionalidade
Passo 11. Caso perceba que algum aplicativo não esteja funcionando bem no cartão de memória, basta voltar ao padrão. Para isso, acesse a opção “Gerenciar aplicativos”, nas configurações do seu smartphone. Escolha o aplicativo que você deseja que volte ao padrão e clique em “Mover para memória”. E pronto! O aplicativo será movido;
Passo 12. Mas se você quiser tornar a instalar seus aplicativos na memória do aparelho com o Android SDK instalado no seu computador, repita os passos 3, 4, 5, 6 e 7;
Passo 13. Em seguida, abaixo de “daemon started successfully”, digite:
pm setInstallLocation 0
…e clique novamente em “Enter” para desabilitar a instalação de novos aplicativos no cartão de memória.
A opção de instalar ou mover aplicativos diretamente para o cartão SD funciona perfeitamente em aplicativos de jogos, como Angry Birds, por exemplo, ou em aplicativos de gerenciamento de tarefas, entre outros que não rodam em background.